Um olho no Paraguai e outro na Argentina: o que o Grêmio precisa nesta rodada da Libertadores

Tricolor encara o Libertad dependendo apenas de si para se classificar, mas segue torcendo contra a Universidad Católica, que joga na quarta-feira contra o Rosario Central

23 de abril de 2019 - Às 12:06
Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

A “noite perfeita” em que o Grêmio venceu o Rosario Central e o Libertad bateu a Universidad Católica manteve o Tricolor vivo na Libertadores. Mais: proporcionou que o time de Renato Gaúcho dependa somente de si para se classificar às oitavas de final. Basta vencer os dois jogos que está no mata-mata da competição pelo quarto ano consecutivo. Porém, tudo pode ir por água abaixo caso a equipe não confirme em campo, nesta terça-feira, às 19h15, diante do time paraguaio, no Defensores del Chaco.

Seja qual for o resultado de hoje à noite, o certo é que a mobilização gremista vai entrar quarta-feira adentro. É nesse dia que o Rosario Central recebe a Universidad Católica, na Argentina, com toda a torcida tricolor a seu lado. O time chileno, vice-líder do Grupo H com 6 pontos, dois a mais que o Grêmio, é o principal concorrente da equipe de Renato Gaúcho na busca pela vaga e entrará em campo sabendo do resultado que precisa buscar.

Confira abaixo os cenários possíveis para o Grêmio na 5ª rodada do Grupo H da Libertadores:

Bem vivo: vitória do Grêmio e tropeço da Universidad Católica

Caso o Grêmio vença o Libertad e a Universidad Católica perca ou empate contra o Rosario Central, o Tricolor vai a sete pontos e ultrapassa o rival. O time chileno, no máximo, empata em pontos, mas fica atrás no saldo de gols. Assim, bastará um empate ao Grêmio na última rodada, na Arena, no dia 8 de maio, que estará classificado.

Eliminado: derrota ou empate do Grêmio e vitória da Católica

Se o Grêmio perder ou empatar diante do Libertad e a Católica ganhar o seu jogo na quarta-feira, o Grêmio estará eliminado. O time chileno iria a nove pontos e não poderia mais ser alcançado pelo Tricolor, que fica com quatro ou cinco pontos – chegaria, no máximo, a oito.

Ainda vivo: tropeços de Grêmio e Católica

Se os dois jogos terminarem empatados, a diferença de dois pontos se mantém e, obviamente, bastaria uma vitória do Grêmio sobre a Católica na última rodada para ultrapassar o rival.

Há, ainda, outras situações em que isso pode se repetir. Caso o Grêmio perca e a Católica não vença o Rosario Central, a diferença fica em, no máximo, três pontos. Vencendo e compensando o saldo de gols na rodada derradeira, o Tricolor ultrapassa a Católica.

O risco, neste caso, é que o Central empataria em pontos com o Grêmio e ambos chegariam à 6ª rodada com a possibilidade de alcançar os sete pontos. A classificação para as oitavas se definiria, neste caso, no saldo de gols.

Em suma: se o Grêmio vencer o Libertad, segue dependendo apenas de si; se perder ou empatar, torce para que o Rosario Central tire pontos da Universidad Católica. E a quarta-feira para os gremistas vira dia dia de pegar a calculadora e tremular a bandeira argentina.



Veja também