Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

O desempenho do Grêmio dentro de campo se reflete cada vez mais fora dele. Com a vaga à final da Libertadores assegurada, o clube espera ampliar ainda mais o quadro social, hoje com 85 mil torcedores. Das palavras do presidente Romildo Bolzan Júnior saiu até um desafio: atingir a meta dos 100 mil sócios.

O sentimento aflorou na tensão dos 90 minutos da derrota por 1 a 0 para o Barcelona-EQU, na noite de quarta-feira, na Arena. Foram exatos 54.128 torcedores a empurrar a equipe para a decisão da competição continental. Depois que o árbitro Roberto Tobar encerrou o duelo, o estádio explodiu em gritos, choros e alegria.

– O torcedor é a razão do clube, a verdade é essa. Quando você olha 54 mil, 55 mil aqui com emoção plena, eu pergunto: que razão leva a isso de uma maneira tão profunda e vinculada? Às vezes, eu digo assim: “olha só, nós duplicamos nossa loja, saímos de 45 mil para 85 mil sócios, estamos melhorando as arrecadações próprias”. O torcedor está respondendo ao clube porque se acha contemplado – vibra o presidente.

A Arena arrecadou R$ 3.370.918,00, mas nenhum centavo irá para os cofres do clube. Desta forma, é na fidelidade do quadro social que a direção se apoia. Conforme Romildo, o Grêmio se aproxima da marca dos R$ 6 milhões mensais só com os associados. Em uma projeção no final do ano passado, o mandatário já almejava custear a folha de pagamento dos jogadores por meio destes valores. Para isso, lançou o desafio dos 100 mil.

– Fica aqui o desafio para chegar aos 100 mil sócios. Estamos chegando a uma arrecadação de R$ 6 milhões por mês no quadro social. Mas um clube não vive somente de momentos bons. Nosso grande desafio não é estar bem hoje, é fidelizar o que está bem. O Grêmio é um estado de espírito inexplicável. É um amor absolutamente injustificado. Uma torcida que vai para o Equador, chega atrasada, o que justifica isso? Eu sei lá. Só posso dizer: que paixão este Grêmio – evocou Bolzan.

O Tricolor gaúcho tem a quarta melhor média de público no país em 2017, com cerca de 20 mil torcedores por partida. Contudo, a taxa de ocupação da Arena, com capacidade para 55 mil pessoas, é de apenas 37%. Na Libertadores, os números crescem. A média vai para 30 mil, com arrecadação à gestora do estádio de mais de R$ 1 milhão por jogo.



Veja também