Foto: Lucas Uebel / Grêmio / Divulgação / CP

Um dos desafios que se apresentam para Tiago Nunes diz respeito a atender a uma promessa feita pelo seu chefe, o presidente Romildo Bolzan Júnior, para esta temporada: a de rejuvenescer o time do Grêmio. Ao ser questionado sobre o assunto após a derrota para o Sport, o técnico ficou visivelmente incomodado e garantiu que procura um equilíbrio entre jovens e experientes.

“Eu penso que é um ponto de vista tendencioso e oportunista, porque temos jogadores jovens que vinham sendo titulares. Muitos jogaram o Gauchão. Temos os casos do Matheus Henrique, Jhonata Robert e Ferreira. Estamos sim oportunizando os jovens, mas precisamos encontrar uma mescla”, afirmou.

Essa era uma crítica feita a Renato Portaluppi, de que ele privilegiava os mais velhos. O fato é que o time que iniciou os últimos dois jogos têm média de idade de 29,6 anos. Sete titulares passaram dos 30: Paulo Victor (34), Rafinha (35), Geromel (35), Kannemann (30), Cortez (34), Thiago Santos (31) e Diego Souza (36).

Em outra ocasião, ao ser questionado sobre o meio-campo com Thiago Santos e Lucas Silva, Tiago Nunes disse que os dois têm “características que se completam” e destacou o currículo dos experientes: “Eu tenho que ter maturidade para dar sequência a jogadores que têm bagagem, que já foram campeões brasileiros, de Copa do Brasil, de torneios internacionais, que sabem jogar jogos em diferentes cenários”.

Nomes como Vanderson, Darlan, Victor Bobsin e Fernando Henrique, portanto, devem continuar esperando. O Grêmio treinou na manhã de sábado e folgou no domingo. Na quinta, o time enfrenta o Santos, na Arena. Pelas declarações recentes do treinador, não é possível determinar se haverá trocas no time. A atuação e os resultados, porém, indicam a necessidade de mudanças. Especula-se que Jean Pyerre volte a ganhar chances. Douglas Costa deve seguir aparecendo ao longo da partida.



Veja também