Em meio a um turbilhão de emoções do Grêmio nos últimos dias, o lateral Rafinha foi o primeiro jogador a se manifestar depois dos protestos violentos feitos em frente ao CT Luiz Carvalho nesta quarta-feira.

O experiente jogador repreendeu o comportamento de parte dos torcedores presentes. Além disso, afirmou que o grupo foi pego de surpresa com a saída de Maicon, uma das referências da equipe.

Rafinha é o atual capitão do Tricolor e concedeu entrevista coletiva na reapresentação do elenco após três dias de folga. O elenco chegou para o trabalho desta quarta no veículo oficial do clube, que foi apedrejado por torcedores.

Algumas pessoas jogaram pedras dentro do CT e atingiram carros de quatro funcionários. Minutos antes da entrevista, o Grêmio emitiu nota e repudiou a manifestação.Torcedor tem todo direito de cobrar, xingar, vaiar. Não tem problema nenhum. Mas a partir do momento que passam para outro lado, com pedra, tacar fogos de artifício, foge da legitimidade, perde total razão.— Rafinha

Rafinha, lateral do Grêmio — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Rafinha, lateral do Grêmio — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

— A gente entende o desconforto da torcida, a frustração, mas aqui ninguém está brincando, fazendo coisa errada. Todo mundo está lutando para tirar o Grêmio desta situação. O torcedor tem total direito de cobrar, mas de uma forma totalmente diferente, não desta forma. Torcemos para que não aconteça mais. Prejudica a gente, que conta com os torcedores para sair disso. Ficamos tristes, não é o que a gente quer — apontou Rafinha.

A manifestação dos gremistas, convocada pelas redes sociais e apontada como pacífica, acabou em conflito com a polícia. Além do ônibus do clube, quatro carros foram atingidos: de duas cozinheiras, de um segurança e de um membro da comissão técnica.

— É triste para todos nós, ninguém quer passar por isso. Às vezes, a forma de protestar tem um limite. Quando passa para o lado da agressão, que pode machucar alguém, causar danos, foge dos padrões. Não justifica. Não é porque não está ganhando que tem o direito de tacar pedra ou fogos dentro do ônibus. Não concordo e não aceito. Ninguém aceita — completou Rafinha.

A saída de Maicon

Outro assunto da semana foi a saída do volante Maicon do Grêmio. Um dos principais líderes do elenco ao lado de Geromel e Kannemann, o meio-campista rescindiu o contrato, algo que pegou todos os jogadores de surpresa, conforme relato de Rafinha.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.htmlEu realmente não sabia, fiquei sabendo depois, mas pegou de surpresa. Ninguém esperava isso.— Rafinha

— Uma situação muito triste. O Maicon é um grande amigo e um dos responsáveis pela minha vinda, além de ser nosso capitão, um líder junto com Geromel, Kannemann e Cortez. É uma perda grande, ficamos tristes, um dos melhores meio-campistas no futebol brasileiro. Merece tudo de bom e vamos ficar na saudade do nosso capitão, que seja muito feliz — completou o lateral.

O Grêmio retomou os treinamentos na tarde desta quarta-feira no CT Luiz Carvalho. O próximo jogo ocorrerá no dia 12, contra o Ceará, na Arena, pelo Brasileirão — o jogo com o Atlético-MG, inicialmente marcado para o dia 5, foi adiado.



Veja também