Surpresa contra o Aimoré, Vico busca nos mais experientes inspiração para vingar no Grêmio

Jogador de 22 anos superou lesão, ganhou oportunidade de Renato Gaúcho e busca repetir trajetória de Ramiro no Tricolor

25 de janeiro de 2019 - Às 06:37

Pouco utilizado em 2018, Vico foi a surpresa na escalação do Grêmio para enfrentar o Aimoré na noite de quarta-feira, pelo Campeonato Gaúcho. Foi a primeira oportunidade na temporada do jogador que tem 12 anos de casa e espera herdar a vaga de Ramiro no time titular. Para isso, ele busca inspiração dentro do próprio grupo para se tornar um ídolo da torcida.

Vico está no Grêmio desde os 10 anos. Mas, de 2017 para cá, teve poucas chances de se firmar no grupo principal. Em 2018, foram quatro opotunidades, uma em cada competição disputada, exceto a Recopa Sul-Americana. Para enfim deslanchar em 2019, ele se espelha nos jogadores mais experientes dentro do elenco.

– O Maicon é um amigo pessoal. Desde quando subi, antes mesmo, sempre vem falando para eu ter paciência, para trabalhar, que a oportunidade vai aparecer. E quando isso acontecer eu tenho que estar preparado. É um dos que mais fala com a garotada, passa sua experiência, do que já viveu – relata.

Vico em ação contra o Aimoré — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Vico em ação contra o Aimoré — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Adotado pelos mais velhos, Vico é chamado de “fiote” pelos companheiros, e usa o sorriso como um cartão de visitas. Para alguns amigos mais próximos, como Luan, ele retribui o apelido. Aos mais velhos, porém, procura um tratamento ainda mais respeitoso. Maicon é o “capita”. Geromel é o “mito”. O Geromito, aliás, foi quem ele escolheu para pedir conselhos neste começo de temporada.

– Foi uma conversa muito positiva. Ele e o Maicon são dois referenciais para nós dentro do grupo – conta o atacante. – Foi um bate-papo muito bacana que a gente teve no quarto. Ele falou para ter calma, paciência. A minha posição é uma das mais utilizadas dentro do Grêmio. Ainda mais agora, que o Ramiro saiu, essa vaga está aberta. Depende totalmente de mim desempenhar bem nos treinos e nos jogos e, se der o meu melhor, quem sabe eu me torne o titular da vaga – prossegue.

Contra o Aimoré, Vico começou hesitoso. Talvez, ele mesmo reconhece, por se preocupar demais com a parte defensiva. Contudo, admitiu que jogou na posição em que se sente mais à vontade de atuar. O drible com a perna invertida é, segundo ele próprio, seu ponto forte. Mas se Renato desejar, pode atuar no meio ajudando na armação.

– Onde ele achar que posso desempenhar um bom papel, vou dar o meu melhor – garante.



Veja também