Em momento conturbado interna e externamente, o Grêmio recebe o Cuiabá nesta quarta-feira, às 21h30, no segundo encontro com a torcida na Arena. Mesmo soterrado na crise que vive, o Tricolor tem chances de deixar a zona do rebaixamento. Mas se perder, pode ter mudanças.

Na 18ª colocação com 22 pontos, o Grêmio vem de duas derrotas consecutivas – 4 a 2 para o Athletico, na Arena da Baixada, e de 2 a 1 contra o Sport, na Arena.

O contexto faz Felipão mudar sutilmente a equipe em relação à derrota para os pernambucanos. Nada de trocas bruscas e grandes novidades.

Lucas Silva deve substituir Villasanti, convocado pela seleção paraguaia, e Mateus Sarará corre por fora. No ataque, Diego Souza entra na vaga do lesionado Borja. No meio, a única dúvida: Alisson pode perder a posição para Campaz.

Pressão interna

O insucesso diante dos pernambucanos deixou resquícios. No vestiário gremista, uma forte discussão tomou conta do ambiente, com jogadores precisando intervir nas trocas de farpas entre atletas.

Jogadores do Grêmio reunidos antes do jogo contra o Sport — Foto: Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

Jogadores do Grêmio reunidos antes do jogo contra o Sport — Foto: Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

A análise interna é de que o ocorrido foi normal para o contexto, afinal, houve indignação por parte do grupo. A preocupação do clube seria em caso de desdém pela derrota e pela crise.

Na tarde de segunda-feira, no CT Luiz Carvalho, os jogadores se reuniram em forma de união por quase duas horas. Em um dos debates, chamaram Felipão para propor que o time saísse jogando, construindo as jogadas. Houve divergências de ideias.

Além disso, o clima é de extrema preocupação internamente caso o time não vença o Cuiabá. Ainda não foram cogitadas mudanças no clube. Após o jogo, porém, principalmente se ocorrer uma derrota, alguma troca ocorrerá. A comissão técnica não deve ser afetada.

Ainda assim, o ge ouviu de diferentes fontes do Grêmio de que tudo dependerá do resultado e da forma como ele ocorrer. Seja como for, a noite será tensa.

Pressão externa

A euforia tomou conta da torcida ao retornar à Arena após 570 dias longe pela pandemia de Covid-19. Mas logo o apoio se transformou em vaias com os 2 a 0 para o Sport. O golaço de Douglas Costa foi um lampejo insuficiente para uma noite que os gremistas querem esquecer.

O Grêmio podia – e ainda pode – receber até 17 mil de público no estádio. Porém, no primeiro reencontro com a torcida, apenas 8 mil estiveram presentes. A última informação do clube, às 16h54 de terça-feira, era de apenas 3.140 sócios que realizaram o check-in

Chance de sair do Z-4

O eletrocardiograma que vive o Grêmio faz, inclusive, com que o time possa sair da zona do rebaixamento. Para isso, obrigatoriamente tem que vencer o Cuiabá.

Como o Bahia perdeu para o Corinthians na terça-feira, o Grêmio agora precisa torcer por um tropeço do Santos para o São Paulo na quinta-feira. Assim, alcançaria os 25 pontos e pularia para 16º lugar, o primeiro fora do Z-4.



Veja também