Lauro Alves / Agencia RBS

A Libertadores da América viveu em 2018 uma final com os rivais argentinos Boca Juniors e River Plate. Em 2019, o Inter voltará a disputar a competição. Com o Grêmio presente nas últimas três edições da Libertadores, o presidente tricolor Romildo Bolzan Jr. não se incomoda com a classificação do rival. Em entrevista ao Correio do Povo, Romildo afirmou que gostaria de uma final com clássico Gre-Nal no torneio.

“Tomara que a gente chegue na final. Seria uma coisa bacana. Seria bom para nós. Não iria acontecer essa ‘fiasqueira'”, disse Romildo sobre os incidentes que levaram a decisão entre Boca e River para Madri.

Em 2019 será o primeiro ano em que a Libertadores terá a final em jogo único. A partida já está marcada Santiago, no Chile, em uma das propostas de mudança da Conmebol para o futebol sul-americano. Crítico da entidade, Romildo afirmou que até o momento a Conmebol apenas tem prometido mudanças, mas tem mantido seus velhos métodos.

“Não acredito que haverá mudança lá. A direção da Conmebol fala em transparência, fala nisso, nos métodos. A gente chega lá e eles apresentam os escritórios novos, mas os métodos são os mesmos. Nós não estamos vendo culturamente nenhuma modificação que dê sintoma de abertura, de transparência, a não ser sermos recebidos de melhor forma. Mas isso não resolve”, afirmou.

Sem medo de retaliações

O Grêmio fez um forte discurso contra a Conmebol depois das polêmicas ocorridas na semifinal da Libertadores deste ano contra o River Plate, quando teve negado o pedido de pontos da partida pelo Tribunal Disciplinar da entidade. A posição, acredita Romildo, não trará prejuízos ao clube no futuro.

“Eu não tenho nenhum receio de reclamar com razão, que gere no mínimo respeitabilidade e apreensão para que as coisas possam ser mais corretas. Tomamos pau nos tribunais, foi o recurso mais rápido da história a ser julgado. Quanto mais denúncias tiverem no sentido de que as coisas estão erradas, mais perspectivas teremos de correção. As denúncias e as soberanias dos clubes fazem parte do jogo, não tenho nenhum receio de perseguição”, afirmou Romildo, que mais uma vez criticou a decisão da Conmebol no caso Gallardo.

“O Grêmio se sentiu prejudicado nessa Libertadores. No caso Gallardo, a Conmebol deveria ter tido altivez e grandeza para interpretar corretamente o quanto foi humilhada e teve afrontada sua posição de coordenadora e dona do campeonato. O Grêmio fez uma reclamação por soberania porque entendeu que estava sofrendo injustiça”, finalizou.

A Conmebol vai sortear na próxima segunda-feira, no Paraguai, os grupos da Libertadores 2019. O Grêmio será um dos cabeças de chave do torneio. Já o Inter estará no pote dois, mas não poderá haver Gre-Nal na primeira fase porque equipes do mesmo país não ficarão nos mesmos grupos.



Veja também