Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Em busca de mais um lateral-direito para compor o grupo que inicia a pré-temporada daqui a uma semana, o Grêmio tem conversas avançadas para repatriar Edílson, do Cruzeiro. Curiosamente, o jogador de 33 anos pode fazer o caminho inverso ao fim de 2017, quando trocou o Tricolor gaúcho pela Raposa.

O técnico Renato Gaúcho inclusive tem falado diretamente com o atleta que, junto com ele, conquistou a Copa do Brasil de 2016 e a Libertadores de 2017 no Grêmio. A identificação de Edílson com o clube, o apoio de jogadores do elenco e sua liderança no vestiário são fatores que agradam.

Porém, há duas questões a resolver para a contratação ser sacramentada. O Grêmio atrela o retorno do jogador a uma redução no salário, já que foi para o Cruzeiro com um aumento significativo em relação ao que recebia em Porto Alegre, há três anos. Baixar os vencimentos não seria problema para o jogador, só que ele ainda não concorda com o valor estipulado pelos gaúchos.

Existe também o lado do Cruzeiro, que não se opõe à liberação do lateral. Mas os mineiros atrelam a saída de Edílson ao perdão da dívida que o clube tem com o jogador por salários atrasados. Ele recebe cerca de três vezes mais que o teto estabelecido pela nova diretoria.

O jogador esteve longe de cair nas graças da torcida em Belo Horizonte, ainda mais após o crescimento de Orejuela na posição. Ou seja, em um momento de reestruturação devido à grave crise financeira e o rebaixamento, a Raposa não impediria a mudança de ares de Edílson.

O presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Júnior, já explicitou que procura mais um lateral-direito além de Victor Ferraz, contratado junto ao Santos. Léo Moura e Galhardo não tiveram seus contratos renovados e deixaram o Rio Grande do Sul. O titular da posição, Leonardo, só deve voltar aos gramados na metade do ano após passar por cirurgia no joelho direito.



Veja também