Renato Gaúcho consolida um estilo de futebol vistoso que já virou marca registrada do seu Grêmio há cinco temporadas. Mas o treinador não deixa de ensaiar variações táticas para surpreender os adversários e abrir espaço no sistema ofensivo. E isso envolve diretamente os seus dois jogadores de lado de campo, Everton e Alisson.

Passados nove jogos em 2020, o treinador mantém a estrutura tradicional da equipe, armada sempre no 4-2-3-1 – seja com três volantes ou com um meia na função centralizada.

Assim, os dois “pontas” costumam iniciar as partidas nas funções habituais, bem abertos e próximos das linhas laterais. Por ali, são as válvulas de escape e principais armas da equipe – principalmente o Cebolinha.

Santos x Grêmio Brasileirão Vila Belmiro Alisson Everton — Foto: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação

Santos x Grêmio Brasileirão Vila Belmiro Alisson Everton — Foto: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação

– A Everton e Alisson eu tenho dado uma função um pouco diferente do normal. Eles ajudam a equipe, de uma maneira que tento modificá-los. Mas não posso falar para vocês (jornalistas), porque daí o adversário fica ligado e muda a marcação – disse o técnico após a vitória sobre o América de Cali pela Libertadores.

“Sempre se reinventando”

A variação implementada por Renato na temporada passa por funções mais centralizadas à dupla de ataque. No decorrer das partidas, Everton e Alisson se desprendem da beirada do campo e se aproximam de Diego Souza no ataque.

A equipe muda para o 4-3-3, com os dois jogadores “flutuando” ao redor da área. Assim, Everton e Alisson têm mais liberdade de movimentação por dentro. A mecânica do jogo também facilita o avanço dos laterais.

– O professor pede sempre para a gente da frente se movimentar. Estou procurando criar espaço, não só para mim, mas para os companheiros. A gente tem que estar sempre se reinventando – destacou Everton.

Variação do Grêmio para o 4-3-3 — Foto: GloboEsporte.com

Variação do Grêmio para o 4-3-3 — Foto: GloboEsporte.com

Nesta movimentação, Victor Ferraz e agora Caio Henrique se transformam em alas no apoio. Lucas Silva permanece “fincado”, mais recuado, com Matheus Henrique e Maicon pelos lados para dar sustentação ao meio de campo.

Essa variação para Everton e Alisson ficou mais evidente nos últimos jogos, em que Renato optou por três volantes. Foi assim na vitória por 1 a 0 no Gre-Nal e na derrota por 1 a 0 para o Caxias, nas semifinal e final do primeiro turno do Gauchão. O mesmo ocorreu na vitória por 2 a 0 sobre o América de Cali, pela Libertadores.

Na última terça-feira, o Cebolinha destacou o lance do segundo gol na Colômbia como exemplo de abertura de espaço para a chegada dos outros jogadores de trás (reveja abaixo). Ele avançou pela ponta esquerda, atraiu a atenção de três adversários e só precisou rolar para Matheus Henrique encher o pé, com liberdade de marcação.

“Qualquer jogador que vem se destacando atrai a marcação. Assim que fiz no segundo gol. Driblei três e toquei para o Matheusinho. Ele acertou um belo chute” (Everton)

O elenco gremista volta a treinar na tarde desta sexta-feira no CT Luiz Carvalho. O Grêmio enfrenta o Pelotas no domingo, às 16h, na Boca do Lobo, pela segunda rodada do returno do Gauchão.



Veja também