Ramiro admite dificuldade ao substituir Luan

Camisa 17 mudou posicionamento nos últimos jogos

22 de setembro de 2017 - Às 05:44
Foto: Lucas Uebel

A lesão de Luan logo após as saídas de Bolaños, Gastón Fernández e Lincoln deixou o Grêmio sem um armador para o jogos com o Botafogo pelas quartas de final da Libertadores. Em razão disso, o técnico Renato Portaluppi improvisou Ramiro na função. O jogador, que não teve boas atuações atuando com meia centralizado, admitiu em entrevista nesta quinta-feira a dificuldade ao substituir o principal jogador do Tricolor.

“A gente tenta sempre dar o melhor independente da função. A gente acaba tendo que suprir as faltas do Luan e do Douglas, que têm características de ligação da defesa para o ataque. Não tendo eles, temos que achar dentro do grupo algumas peças para suprir essa falta. O Arthur já tinha feito, o Léo (Moura), o Maicon. Eu, nas últimas três partidas, fui o encarregado de cumprir essa função. Obviamente é difícil substituir o Luan, mas a gente tem que tentar sempre dar o melhor para ajudar o Grêmio”, afirmou Ramiro.

Após eliminar o Botafogo, o Grêmio terá pela frente o Barcelona, de Guayaquil, que eliminou o Santos. Ramiro admitiu que ainda sabe pouco do time equatorianos, mas destacou que o Tricolor terá tempo para estudar o adversário.

“A gente estava com a cabeça somente no Botafogo. É difícil projetar um adversário futuro. A gente tinha um adversário difícil, que impôs dificuldade. Agora é pensar no Barcelona. É uma equipe que chegou com méritos. Temos de estudar a equipe deles da melhor maneira e procurar fazer um bom papel para classificar à final da competição”, afirmou.

Atenção no Brasileirão

O confronto de ida contra o Barcelona deverá ser confirmado pela Conmebol apenas para o dia 25 de outubro. Até lá, o Grêmio terá seis jogos pelo Campeonato Brasileiro. Ramiro afirmou que o time precisa agora voltar suas atenções para o torneio nacional para tentar encostar no líder Corinthians.

“A gente tem totais condições, apesar da distância do Corinthians, mas tem que pensar jogo a jogo. Não tem que pensar em título. Vamos com os pés no chão. Sabemos que os times que estão atrás encostaram e precisamos volta a vencer para pensar em coisas maiores”, projetou.



Veja também