Félix Zucco / Agencia RBS

Buscando economia em um ano que terá a disputa da Série B do Brasileirão, o Grêmio tomou algumas medidas desde o começo da temporada. Como revelou o colunista de GZH Eduardo Gabardo, o clube estabeleceu que todos os funcionários de apoio agora têm acesso controlado ao refeitório do futebol profissional e que nenhum funcionário está autorizado a realizar horas extras sem liberação prévia.

Em entrevista ao programa “Sala de Redação”, da Rádio Gaúcha, Denis Abrahão, vice-presidente de futebol do Tricolor, deu a versão gremista sobre os cortes feitos recentemente.

— Horas extras são extraordinárias. O que estava acontecendo é que estava tendo todos dias. Denota que existe uma falta de critério ou de pessoas. A partir disso, se criam turnos de trabalhos e se fazem horários móveis — salientou, explicando a questão das refeições no centro de treinamentos:

— É uma questão de gestão. Tenho de olhar esses aspectos como nas minhas empresas. A gente estava pagando duas vezes com o mesmo objetivo. É uma despesa desnecessária. Quando tu dá mesada para o teu filho é ou no cartão ou no dinheiro. Tem funcionários que almoçam no CT, eles têm o horário de saída para o almoço, podem trazer suas marmitas, como em todas as empresas. Não posso punir o clube com duas ações com o mesmo objetivo.

Por fim, o dirigente gremista não descartou que outros jogadores saiam antes da janela de transferências se fechar. Recentemente, o Tricolor confirmou os empréstimos de Darlan, Paulo Miranda e Everton Cardoso para clubes do futebol brasileiro.

— Podem sair mais alguns jogadores. Não chegou nada para nós de venda. Nenhuma chegou. O que chegou foi efetivado. Darlan, Paulo Miranda, Everton essas foram as negociações por empréstimos para diminuir a sua despesa mensal — finalizou.



Veja também