Desde a criação da Lei Pelé, no final dos anos 1990, os direitos econômicos e federativos dos jogadores foram regulamentados no Brasil. A partir disso, passou ser rotina no país a divisão da porcentagem de cada atleta. Clubes e empresários passaram a lucrar com transferências. Recentemente, por regra da Fifa, apenas os times podem administrar a condição. 

No Grêmio, são poucos os jogadores que têm 100% dos direitos econômicos pertencentes ao Tricolor. Geralmente, os mais experientes, que acabam não tendo avaliação de mercado tão alta em eventuais negociações. 

GaúchaZH fez um levantamento que mostra quanto o Grêmio detém dos direitos de alguns dos principais jogadores do seu elenco. 

Confira a lista:

  • Vanderlei: 60%
  • Victor Ferraz: 65%
  • Pedro Geromel: 100%
  • Walter Kannemann: 90%
  • Bruno Cortez: 100%
  • Maicon: 85%
  • Matheus Henrique: 90%
  • Alisson: 60%
  • Jean Pyerre: 60%
  • Everton: 60%
  • Thiago Neves: 100%
  • Pepê: 70%
  • Diego Souza: 100%
  • Caio Henrique: emprestado pelo Atlético  de Madrid, da Espanha


Veja também