O presidente do Superior Tribunal de Justila Desportiva (STJD), Otávio Noronha, prestou esclarecimentos sobre o mandado de garantia pedido pelo Grêmio e encaminhou-o ao vice-presidente da entidade, José Perdiz de Jesus.

A manifestação sobre a solicitação, que tem como efeito barrar a presença de torcida no jogo desta quarta-feira entre Tricolor e Flamengo, pela Copa do Brasil, deve ocorrer apenas no dia da partida.

O presidente defendeu na manifestação que o mandado de garantia não é a via correta para as pretensões gremistas, mas repassou-o para Perdiz despachar sobre a liminar, já que o clube entrou com o pedido contra a decisão de Noronha.

Grêmio quer barrar torcida do Flamengo no Maracanã — Foto: Felipe Schmidt/GloboEsporte.com

Grêmio quer barrar torcida do Flamengo no Maracanã — Foto: Felipe Schmidt/GloboEsporte.com

O presidente, na manifestação encaminhada ao vice, cita questões de prazo e também entende que o Flamengo deveria ser notificado pelo Grêmio nos autos, sob pena de indeferir o pedido.

Um dos argumentos do Grêmio cita a reciprocidade e a isonomia na disputa das competições. O protocolo de retorno do público aos estádios veda a presença de torcida em jogos eliminatórios se uma das praças não tem liberação. Noronha defendeu a sua decisão com argumentos da própria liminar concedida.

– Na realidade, Senhor Vice-Presidente, Vossa Excelência, que é Auditor de inegável sabedoria e larga experiência, haverá de concluir que a impetração aforada é, na realidade, absolutamente caduca e descabida – escreveu o presidente.

O Grêmio entrou com o mandado de garantia de ordem personalíssima no STJD no início da tarde desta terça-feira. Com a iniciativa, o Tricolor tenta uma última cartada para barrar a presença de público no Maracanã para o jogo com o Flamengo, na quarta, válido pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Mas, conforme apurou o ge, a expectativa no clube é baixa por uma resposta positiva e a medida é vista como uma “obrigação” para firmar posição.



Veja também