A caminhada do Grêmio na Série B chegou à metade. Com alguns tropeços no meio da trajetória, o time de Roger Machado chegou a 13 jogos sem perder e se estabilizou no G-4. Porém, terminar a primeira perna do torneio entre os quatro primeiros não é garantia de acesso. Nem mesmo os 33 pontos conquistados pelos gremistas, conforme retrospecto recente da competição.

Com o empate em 0 a 0 com o Brusque, na terça-feira (19), o clube gaúcho fechou o primeiro turno com cinco pontos de vantagem para o Tombense, primeira equipe fora da zona de classificação. Um cenário confortável no momento, mas que não assegura nada.

— Agora é projetar o segundo turno. Dentro das projeções, estamos no que imaginávamos — afirmou Roger, após a partida no interior catarinense.

Desde 2006, quando a Série B passou a ser disputada em turno e returno, somente em três oportunidades (2020, 2019 e 2009) os quatro primeiros colocados ao término da 19ª rodada formaram o quarteto que disputou o Brasileirão na temporada seguinte. No momento, estariam subindo Cruzeiro (41 pontos e um jogo a menos), Vasco (35), Bahia (34) e Grêmio (33).

— A gente está perto de 60% de aproveitamento. Olhando para Série A ou B, isso é um aproveitamento de segundo colocado. A questão é que tanto Cruzeiro quanto o Vasco descolaram rapidamente do bloco. A gente teve de fazer um campeonato de recuperação. Está dentro do planejamento, um pouquinho para menos — argumentou o técnico Roger.

Dos quatro, somente os mineiros estão com uma pontuação que quando atingida ao fim do turno o clube não terminou fora das quatro primeiras colocação. O Criciúma, em 2007, é o dono da melhor campanha na primeira metade da Segunda Divisão e que não conseguiu subir. Os catarinenses estavam com 37 pontos.

Ao todo, em 11 situações uma equipe que terminou as primeiras 19 rodadas com uma pontuação igual ou superior à do Grêmio não conseguiu subir de divisão.

Quem estava no G-4 ao fim do primeiro turno e não subiu

  • 2021 – CRB (33 pontos)
  • 2018 – Vila Nova e Atlético-GO(30)
  • 2017 – Vila Nova (32)
  • 2016 – Criciúma (35) e CRB (33)
  • 2015 – Bahia (33)
  • 2014 – Ceará (35 e líder) e América-MG (33)
  • 2013 – Paraná (34)
  • 2012 – Joinville (36) e São Caetano (34)
  • 2011 – América-MG (30)
  • 2010 – Ponte Preta (35)
  • 2008 – Ponte Preta (32)
  • 2007 – Criciúma (37 e líder) e Marília (32)
  • 2006 – Avaí (30)


Veja também