A Polícia Civil do Rio Grande do Sul afirmou na manhã deste domingo que já identificou o torcedor que arremessou o celular em Lucas Silva no Gre-Nal 436. Em entrevista à Rádio Gaúcha, a chefe de Polícia, Nadine Anflor, confirmou o fato e disse que o jogador deve prestar depoimento nesta segunda-feira.

Durante o programa Domingo Esporte Show, Nadine afirmou que a Polícia já sabe quem jogou o celular que feriu o jogador do Grêmio, mas que ainda estão trabalhando com “diligências preliminares”. A delegada responsável pelo caso é Ana Caruso, que também ficou encarregada pelo episódio da pedrada no ônibus do Grêmio.

Segundo a chefe de Polícia, Nadine Anflor, a tendência é que Lucas Silva compareça na delegacia para prestar depoimento nesta segunda-feira, mas ainda não tem horário marcado. Com a queixa do atleta, será possível avançar nas investigações. A súmula da partida deverá ser publicada no mesmo dia e deve ser acrescentada na apuração.

Aos ser questionada sobre qual crime o torcedor pode ser enquadrado, Nadine disse que somente com o desenrolar dos fatos poderá ser determinado. Completou também que Ana Caruso, titular do inquérito, é quem irá determinar isso.

Lucas Silva é atingido por celular no Gre-Nal — Foto: Eduardo Moura

Lucas Silva é atingido por celular no Gre-Nal — Foto: Eduardo Moura

Na vitória do Grêmio por 3 a 0 em cima do Inter, no Beira-Rio, na tarde deste sábado, Lucas Silva foi atingido por um celular durante a comemoração do terceiro gol, marcado por Diego Souza. Os jogadores se direcionaram à torcida visitante, mas torcedores do Inter arremessaram objetos e o volante acabou atingido.

O jogador levou um corte na boca, recebeu atendimento médico na beira do gramado e cerca de três minutos depois precisou ser substituído. Após o jogo, o Grêmio informou que o atleta precisou ter parte da boca e do nariz suturados.

Lucas Silva lamentou a violência nas redes sociais e cobrou punição a quem arremessou o celular. Na mesma postagem, o jogador relatou que levou três pontos. O presidente do clube, Romildo Bolzan, disse que aguarda uma posição do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-RS).

O caso ocorreu três semanas depois do clássico da primeira fase do Gauchão ser adiado por violência. Na ocasião, um torcedor do Inter arremessou uma pedra contra o ônibus da delegação do Grêmio e atingiu o paraguaio Mathías Villasanti. O fato fez a partida ser remarcada e ocorreu no dia 9 de março.



Veja também