Melhor em tudo. No ataque, 27 gols feitos e, na defesa, apenas um gol sofrido em 10 rodadas. Primeiro lugar garantido na fase classificatória com uma rodada de antecedência, sete pontos à frente do segundo colocado. A vitória no Gre-Nal 418 começou a ser construída na sexta-feira (15). Tão logo soube de medida adotada pelo Inter, de preservar os titulares, o técnico Renato Portaluppi ligou para o presidente Romildo Bolzan e apresentou a ideia de fazer o mesmo na partida deste domingo, caso o adversário confirmasse o uso de uma formação alternativa — e tinha, na manga, a possibilidade de mandar a campo os titulares se fosse preciso. Recebeu o sinal positivo e reforçou a decisão com os demais membros da diretoria de futebol do clube. O treinador garantiu que os titulares queriam entrar em campo.

— Eu comuniquei os jogadores no vestiário. As duas equipes estavam treinadas. Alternativa e titular. Não treino 11. Treino um grupo, e qualquer um pode jogar a qualquer momento. Quando o Inter confirmou time reserva, eu tomei a decisão. Clássico é sempre muito difícil. Poderia acontecer muita coisa hoje (domingo), se usássemos time principal. Poderíamos vencer, vencer de goleada, perder, perder jogadores importantes. Não era um jogo decisivo — resumiu Portaluppi.

Para o vice de futebol gremista, Duda Kroeff, a base da decisão foi o risco de perder titulares por lesão em um jogo que não teria um grande impacto no restante da temporada:

— A principal preocupação era a de não perder nenhum jogador importante. Gre-Nal é um dos maiores clássicos do mundo e os jogos são muito acirrados. Às vezes, acontecem algumas lesões graves. Eu nunca me esqueço do lance do Bolaños com o lateral-direito do Inter (William). Foi um lance violento para caramba. Essas coisas acontecem em clássicos, queríamos evitar esse tipo de problema.

Atuação no segundo tempo não satisfez

Depois de vencer o primeiro tempo por 1 a 0 e ter um jogador a mais a partir dos 29 minutos, o Grêmio não recebeu aprovação do técnico no segundo tempo. A expulsão de Nonato ajudou, segundo Renato, mas o time não aproveitou como deveria.

— Eu alertei no vestiário que não poderíamos nos acomodar. Foi um jogo muito pegado, mas fizemos um bom primeiro tempo. No segundo tempo, não valorizamos a posse de bola. Meu time se acomodou. Com um a mais, você cansa muito mais o adversário no estilo de jogo do Grêmio. E não fomos tão eficientes nisso — garantiu o técnico gremista.

Quanto a Diego Tardelli, Renato afirmou que ele ainda não está pronto. E a utilização do atacante na próxima rodada não está confirmada.

— É um risco muito grande colocar um jogador como ele sem estar 100%. Pode sofrer uma lesão. É ele que vai me dizer quando estiver totalmente pronto e quanto tempo poderá aguentar — ponderou Portaluppi.

Capitão e atuando na zaga, Marcelo Oliveira ressaltou a diferença do Gre-Nal para os outros jogos.

— Independentemente de nomes, Gre-Nal é Gre-Nal. Antes do jogo, falamos sobre isso. Nos preparamos para fazer um grande jogo. Estávamos enfrentando o Inter e teríamos uma dificuldade enorme — analisou.

Matheus Henrique pedindo passagem

Escolhido como um dos melhores em campo, Matheus Henrique foi personagem também na entrevista coletiva de Renato. O volante fez um ótimo primeiro tempo, sendo inclusive responsável pela expulsão de Nonato, deixando o Inter com um a menos ainda no primeiro tempo. O técnico gremista admitiu que o jovem está pedindo passagem.

— O Matheuzinho vem num grande momento. Isso é bom para o Grêmio e bom para o treinador. Ele tem algumas características do próprio Arthur. Mas ele joga numa posição que o time tem grandes jogadores também. Quem é que sai? — questionou o treinador.

Renato destacou que gosta do jeito que os volantes do Grêmio saem jogando. Ele valoriza atletas que saibam sair com a bola desde trás. Mas alertou para a necessidade de também serem necessários jogadores como Rômulo, que são bons marcadores, protegem a defesa e se destacam nas disputas de bola aérea.

Matheus Henrique terá uma nova chance na última rodada da primeira fase, nesta quarta-feira, contra o Pelotas, na Boca do Lobo. Mais uma vez, todo o time será alternativo, enquanto os titulares ficarão treinando em Porto Alegre para a primeira partida das quartas de final, fora de casa, no final de semana.

— Temos revisão médica nesta segunda. Tomara que a virose não me tire mais um ou outro jogador para quarta-feira — finalizou Renato.



Veja também