Foto: Eduardo Moura

O ano pode não ter sido altamente positivo para o Grêmio em termos de conquistas dentro de campo. Mas, individualmente, 2019 foi significativo para alguns jogadores, todos oriundos da base do clube. Matheus Henrique e Jean Pyerre se firmaram como titulares, Everton ganhou um protagonismo ainda maior e Pepê despontou como o 12º jogador de Renato Portaluppi, se credenciando à titularidade em 2020. Nesse contexto, os dois últimos jogos do ano são importantes para o atacante. 

A oportunidade como titular diante do São Paulo foi bem aproveitada e a sequência deve vir no duelo com o Cruzeiro, amanhã, na Arena, quando pode deixar Diego Tardelli no banco de reservas. “Eu procuro dar o meu melhor nos treinos e jogos, procuro evoluir cada vez mais. Esse ano pude ver o Matheus Henrique, que subiu comigo para o profissional, chegar à Seleção Brasileira. Isso nos enche de orgulho, serve de inspiração. Ter um cara como o Everton também no grupo, conviver com ele, que sempre nos passa coisas importantes. Isso é fundamental”, destaca Pepê.

Vice-artilheiro do Grêmio na temporada com 12 gols, Pepê ganhou experiência em 2019. Entrou e fez gols importantes em jogos decisivos. Os momentos ruins, como o pênalti desperdiçado na semifinal da Copa do Brasil diante do Athletico Paranaense, também serviram como aprendizado. “O nosso grupo é muito forte, independente de quem começar o jogo contra o Cruzeiro, vai dar conta do recado”, diz ele. O duelo com a equipe mineira pode ser o último jogo dos titulares em 2019. No domingo, contra o Goiás, Renato deve utilizar um time reserva.



Veja também