A nova investida do Napoli por Everton, noticiada pelo jornal Gazzetta dello Sport no último domingo (17) ganha cada vez mais contornos de saída do atacante gremista. Segundo a publicação, a oferta dos italianos seria de 25 milhões de euros, valor bem inferior à multa rescisória de 120 milhões de euros, mas muito mais próximo à sua cotação de mercado, que segundo o site Transfermarkt é de 28 milhões de euros. O Grêmio, que detém 50% dos direitos do jogador, receberia metade do total da transferência.

Possível substituto de Everton: o que mostram os números de Pepê no Grêmio

 Conhecido no Brasil por ter sido o clube de Maradona e Careca, nos anos 1980, o Napoli já manteve conversas com o Cebolinha. A informação foi confirmada por Carlos Alberto Soares, pai do atacante do Grêmio, para a reportagem de GaúchaZH.

— O Napoli procurou ele e apresentou um projeto. Eles ficaram de mandar uma proposta direto para o Grêmio na próxima semana — revelou Carlos Alberto.

Mesmo que os valores fiquem bem abaixo do estipulado pela rescisão contratual, que é de 120 milhões de euros, vale lembrar que o próprio Grêmio já admitiu que a negociação deverá ocorrer em outro padrão.

— Sabemos que é uma classificação (multa) muito alta e não pretendemos cortar as asas do garoto. Estamos prontos para avaliar valores mais baixos do que os da cláusula, estou ciente de que o coronavírus mudará o mercado — comentou o presidente Romildo Bolzan Junior em uma entrevista no mês de abril.

Jovens, promissores e caros: cinco jogadores da base do Grêmio que têm multas rescisórias milionárias

A idade de Everton, que completou 24 anos em março, é outro fator que reduz seu valor de mercado. 

—Ele já tem 24 anos e fica essa ansiedade se vai sair ou não — afirma Carlos Alberto, que garante que ainda não houve acerto com o clube italiano.

Essa questão da idade também já foi citada pelo representante do jogador, Márcio Cruz, em entrevista para GaúchaZH, em 10 de abril.

— Everton fez 24 anos mês passado, bom que o presidente pense assim —comentou à época, quando também falou sobre as tratativas que não avançaram com o Everton, da Inglaterra, na janela de transferências do último inverno europeu.

Títulos esquecidos: a Sawna Bank e a confiança para o Grêmio conquistar a Libertadores

Para o pai do Chuteira de Ouro da última Copa América, o mercado italiano é boa opção.

— Nápoles é uma boa cidade. O clube está sempre disputando a Liga doa Campeões, tem formado bons times — diz Carlos Alberto, demonstrando ter bom conhecimento sobre o clube do sul da Itália. 

O momento de crise financeira também é apontado como um fator que possa pesar em uma negociação.

— Antes o presidente (Romildo Bolzan ) bateu pé. o Clube estava numa condição (financeira) estável. Não tinha essa crise. Mas agora é um momento difícil e os clubes europeus sabem e vão aproveitar — pondera Carlos Alberto Soares.

Everton começou sua carreira nas categorias de base do Fortaleza. Em 2012 chamou a atenção de olheiros do Grêmio em um competição disputada no Nordeste e o clube gaúcho contratou o jogador por empréstimo, num primeiro momento. Após bom desempenho nas categorias de base do Tricolor foi adquirido em definitivo e está no grupo principal desde 2014. No total tem 273 jogos e 70 gols marcados com a camisa gremista.



Veja também