Foto: Diego Vara/Reuters

A capa do jornal português O Jogo desta quarta-feira (30) indica um interesse do Porto em contratar o atacante Pepê. Apontado como sucessor de Everton no Grêmio, após este deixar Porto Alegre para atuar no Benfica, de Portugal, o jogador de 23 anos tem despertado o interesse de clubes europeus desde as boas atuações com a camisa da seleção brasileira no Pré-Olímpico disputado em janeiro deste ano, na Colômbia.

Mas apesar do assédio, a direção gremista trata de espantar os interessados.

— O Grêmio não tem interesse de fazer o negócio. Queremos manter o jogador porque entendemos que ele é importante para as campanhas deste ano — disse o presidente Romildo Bolzan Junior em entrevista à Rádio Renascença.

Na conversa com a emissora portuguesa, Romildo ainda falou sobre a proposta realizada pelos representantes do Porto, que num primeiro momento ofereceram 10 milhões de euros e em uma segunda tentativa subiram o valor para 15 milhões de euros (R$ 99 milhões).

— Em primeiro lugar, o preço (da proposta) é baixo, é muito aquém do valor do jogador, muito abaixo. E mesmo que o preço fosse alto, o jogador é necessário para as campanhas aqui, ao menos deste ano ainda — declarou o dirigente gremista.

Quando questionado se o Grêmio colocaria um preço para iniciar negociação, Romildo Bolzan Junior foi enfático.

— Ele não tem valor. Neste momento, não tem valor porque ele é inegociável — disse o presidente, que acrescentou que “após a consulta inicial informou os representantes do atleta de que não existe interesse em fazer negócio por ora” e que quer contar com Pepê pelo menos até o final da temporada, que será finalizada em fevereiro de 2021.

Com contrato recentemente renovado até 31 de dezembro de 2024, o jogador tem uma multa rescisória de 150 milhões de euros (R$ 990 milhões). O Grêmio é dono de 70% dos direitos econômicos do atleta. O Foz do Iguaçu detém os outros 30%. Com a camisa tricolor, Pepê tem 102 jogos e 23 gols marcados.



Veja também