O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) entrou na Justiça com medida cautelar que pede a suspensão das atividades da torcida organizada Geral do Grêmio após o protesto que teve atos violentos no CT do clube, na tarde de quarta-feira.

Nesta quinta, a direção Tricolor também impediu que a Geral e outras três agremiações (Torcida Jovem, Garra Tricolor e Rasta do Grêmio) utilizem materiais em jogos da equipe.

Conforme nota divulgada no site do MP-RS, até o momento a Geral do Grêmio é a única torcida identificada na confusão que envolveu arremesso de pedras no ônibus dos jogadores e na estrutura do Centro de Treinamentos Presidente Luiz Carvalho, na zona norte de Porto Alegre. Caso sejam verificados outros grupos, também serão responsabilizados, diz o órgão.

O pedido foi feito pelo promotor Thales Volcato, da Promotoria do Torcedor, e sugere a suspensão da Geral por no mínimo 90 dias, até que “todos ou a maioria das pessoas envolvidas nos atos criminosos sejam identificados”.

Geral do Grêmio estendeu bandeira em frente ao CT — Foto: Fernando Becker/RBS TV

Geral do Grêmio estendeu bandeira em frente ao CT — Foto: Fernando Becker/RBS TV

Conforme divulgado pelo Grêmio nesta quinta, pelo menos 12 torcedores foram identificados e serão impedidos de ingressar na Arena. Além do clube, o MP-RS pede que Polícia Civil e Brigada Militar agilizem o processo de encontrar os responsáveis pelos atos de vandalismo.

– Precisamos identificar os envolvidos para buscar a possível responsabilização criminal pelos atos ali praticados, que, em tese, configuram delitos previstos no Estatuto do Torcedor e, também, outros tipos penais – afirma Volcato.

De acordo com determinação da direção tricolor, a Geral do Grêmio, a Torcida Jovem, a Garra Tricolor e Rasta do Grêmio não poderão apresentar seus materiais nas arquibancadas nos próximos jogos do clube na Arena. O período de suspensão ainda não foi confirmado.

Nas redes sociais, Geral, Rasta e Torcida Jovem se manifestaram para repudiar os atos de violência e afirmar que foram ao CT Luiz Carvalho com o intuito de protestar de maneira pacífica. E que não identificaram integrantes das torcidas nos atos violentos.

A confusão

Convocado pelas redes sociais na quarta-feira, o protesto de torcedores diante da má fase do Grêmio, na zona de rebaixamento do Brasileirão, tomou ares de tumulto após a chegada do ônibus dos jogadores ao centro de treinamentos da equipe.

O veículo foi alvo de pedras e fogos de artifício. Na sequência, houve também arremesso de pedras para dentro da área do CT, com estragos ao patrimônio do clube, e tentativa de invasão.

Eram cerca de 150 torcedores gremistas na Rua João Moreira Maciel, às margens da BR-290, que iniciaram a manifestação com gritos de cobrança a jogadores e dirigentes por meio de faixas. A Brigada Militar esteve no local e dispersou as pessoas quando a confusão começou. Ninguém ficou ferido.



Veja também