O primeiro passo rumo ao título gaúcho de 2020 foi dado. Com a vitória por 2 a 0 na noite de quarta-feira, o Grêmio tem uma vantagem sólida no placar sobre o Caxias para o duelo do próximo domingo, na Arena. Em campo, novamente o time se mostrou competitivo, mas sem repetir o domínio de outros tempos. Uma equipe mais sóbria e com o foco no resultado final.

O Tricolor passa por uma espécie de reformulação. Mudou inúmeras peças para a temporada, embora mantenha uma base dos últimos anos. A maneira de atacar mudou. Primeiro, uma adaptação a Diego Souza, um centroavante posicionado. Agora, com sua lesão, novos movimentos com Isaque.

É dele o passe para Pepê abrir o placar no Centenário logo no início do primeiro tempo, com direito a elogio do técnico Renato Portaluppi durante a comemoração. Meia de origem, Isaque sai da área e tabela com Maicon pela ponta direita. Na área estão os “pontas” Alisson e Pepê.

– Vamos jogar na Arena, não está nada definido. Nada, nada. Caxias continua tendo nosso respeito e vamos continuar tendo dificuldade. Mas é uma vantagem, e qualquer vantagem em final vale. Quando começar a partida, vamos esquecer essa vantagem – comentou Renato.

Um movimento muito comum durante o primeiro tempo, especialmente, foi Maicon mais avançado. Jean Pyerre era quem recuava e olhava o campo todo de frente. O volante aproveitava para circular entre as linhas de defesa e meio adversárias na tentativa de ser um apoio para o passe.

– Tenho um meio-campo com qualidade muito grande. O que facilita é o jogador não aceitar a marcação e procurar se movimentar. Às vezes o Maicon adianta, vai o Jean. Isso confunde a marcação. É um dos nossos segredos – admitiu Renato.

Maicon por vezes trocou de função com Jean Pyerre — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Maicon por vezes trocou de função com Jean Pyerre — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

O Grêmio ficou com a bola 58% do tempo. Não apresenta mais aquelas atuações de envolvimento completo do adversário, mesmo um rival mais modesto do Estadual – é bem verdade que o Caxias ganhou o primeiro turno em cima do Tricolor.

Entre alguns altos e baixos do Grêmio dentro dos 90 minutos, o Caxias até chegou ao empate em cobrança de falta. Mas o lance foi anulado por impedimento com auxílio do VAR. Apesar da infração, não seria injusto o gol grená naquele momento do jogo.

Então, já aos 32 da etapa final, Everton aproveitou um rebote de escanteio e, de fora da área, algo não tão comum assim para o Grêmio, fez o golaço para tranquilizar as coisas.

– O departamento de futebol vai trabalhar até domingo para dar confiança e tranquilidade, também com a convicção que estamos no caminho certo. Mas não temos o título – minimizou o vice de futebol Paulo Luz.

O desempenho, claro, pouco importa com o 2 a 0 tatuado no placar em uma final. O Grêmio deu um passo sólido para o título gaúcho. Ao mesmo tempo, precisa se adaptar a Isaque, a Pepê como titular e às novas opções, como Everton e Robinho, que também necessitam de entrosamento para render bem.

Para as demais competições, no entanto, o nível tem de subir. E Renato conduz um novo time, já que foram contratados recentemente três jogadores – Robinho, Everton, Luiz Fernando – e um quarto deve chegar para ser opção a Diego Souza. Fora a possível volta de Ferreira ao grupo.

Para o jogo de domingo, às 16h, na Arena, Kannemann volta à defesa, além de Orejuela estar novamente à disposição. Só que Matheus Henrique, suspenso, é desfalque, e Pepê deixou o jogo com problema muscular na coxa esquerda.

Com o 2 a 0 a seu favor, o Grêmio pode até perder por um gol de diferença em casa que sai campeão. Se perder por dois, a decisão vai para os pênaltis. Não há saldo qualificado na final do Gauchão.



Veja também