Apesar de ostentar a melhor defesa da Série B, com sete gols sofridos, o técnico Roger Machado está preocupado com a bola aérea defensiva da equipe. O Grêmio foi vazado pelo alto nos últimos dois jogos contra Brusque e Ponte Preta. O sinal de alerta está ligado para um velho problema que prejudicou a trajetória do treinador na primeira passagem pelo clube.

O triunfo de sábado aumentou a série invicta para 14 jogos e alçou o Tricolor para a vice-liderança da Série B, nove pontos atrás do líder Cruzeiro e sete à frente do 5º colocado, Londrina. Além disso, a partida, que marcou as reestreias do volante Lucas Leiva e do atacante Guilherme, registrou pouco mais de 43 mil torcedores na Arena.

Por outro lado, os confrontos recentes evidenciaram dificuldades no jogo aéreo. Roger admite preocupação com o quesito. A defesa não conseguiu conter Wallace Reis, do Brusque, que superou Bitello após cobrança de falta pelo lado esquerdo, e Wallisson, da Ponte, que subiu livre entre os marcadores depois de escanteio pela direita.

– Mudamos o posicionamento do Bitello, foi em cima dele o gol do Brusque, puxamos o Villasanti, mais alto, para a segunda trave. Contra a Ponte, entrou no primeiro pau. Vamos alinhar de novo para que não volte acontecer – explicou Roger em entrevista após a partida.

Preocupa porque não vinha tomando. O erro de hoje (contra a Ponte) foi diferente, na primeira trave. Contra o Brusque, foi no segundo poste e a gente teve dificuldade de marcar. Preocupa.

— Roger Machado

Grêmio bola aérea defensiva  — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Grêmio bola aérea defensiva — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Antes de voltar a ser vazada em Santa Catarina, a defesa do Grêmio passou em branco em quatro jogos consecutivos. O último gol sofrido havia sido do volante Geovane, do CSA, também de cabeça. Anteriormente, diante do Ituano, a zaga não ganhou a disputa pelo alto, e Lucas Nathan empatou, de pé direito, no último minuto.

– É uma das variáveis que a gente treina bastante. Foi um momento de instabilidade. A gente tem sofrido poucos gols de bola rolando e a média de gols de bola parada está baixa. A gente tem que identificar o problema e atacar – prometeu o comandante.

As críticas à bola aérea defensiva do Grêmio, sob comando de Roger Machado, não são novidade. Na primeira passagem pelo clube, a equipe sofreu com situações similares, que comprometeram a continuidade do trabalho, encerrado após pedido de demissão em setembro de 2016.

Os gols sofridos pelo Grêmio na série B

  • Ponte Preta: Wallisson, de cabeça
  • Brusque: Wallace Reis, de cabeça
  • CSA: Geovane, de cabeça
  • Ituano: Lucas Nathan, de pé direito, em jogada de bola aérea
  • Cruzeiro: Rodrigo Ferreira, contra
  • Guarani: Matheus Pereira, após rebote do goleiro
  • Chapecoense: Matheus Bianchi, de pé direito

A delegação tricolor já está em solo catarinense para o próximo compromisso pela Série B. Na terça-feira, às 18h30, enfrenta a Chapecoense, na Arena Condá, pela 21ª rodada. A equipe deve ser a mesma que iniciou contra a Ponte, com Lucas Leiva iniciando no banco de reservas.

Substituído pela primeira vez por sentir a perna pesada, Geromel está relacionado e deve ter condições de começar a partida. Se for vetado, Rodrigues assume a titularidade ao lado de Bruno Alves.



Veja também