A vitória por 2 a 1 do Grêmio sobre o Coritiba na noite desta quarta-feira, na Arena, pela 14ª rodada do Brasileirão, foi finalizada por um momento surpreendente e com toque de emoção. O zagueiro Marcelo Oliveira anunciou o fim da carreira aos 33 anos após jogar um minuto e ainda adiantou que será coordenador técnico do clube a partir de quinta. Ele não jogava há mais de um ano e meio.

“Me sinto o cara mais honrado e feliz da vida por encerrar o meu ciclo como atleta. O que conquistei não tenho nada para reclamar, só agradecer” (Marcelo Oliveira)

Marcelo entrou no lugar de Pepê aos 48 minutos do segundo tempo, a um de encerrar a partida. Após o apito final, ficou com a braçadeira de capitão e foi jogado para o alto pelos companheiros no centro do gramado da Arena. Depois, concedeu uma entrevista com a voz embargada para declarar o fim da carreira de jogador aos 33 anos.

— É muita emoção falar nesse momento, por tudo que representa para mim estar no Grêmio. Desde que cheguei, na primeira coletiva, falei que estava realizando um sonho. As pessoas mais próximas a mim sabem há quanto tempo tinha esse sonho. Meu contrato está chegando ao fim. Estava pensando nisso há um tempo. estudando. O clube fez o convite para uma outra função. Nem pensei duas vezes — afirmou o agora ex-jogador.

Marcelo Oliveira é erguido pelos companheiros no gramado da Arena — Foto: Lucas Bubols / ge

Marcelo Oliveira é erguido pelos companheiros no gramado da Arena — Foto: Lucas Bubols / ge

Marcelo Oliveira não entrava em campo desde março de 2019, quando sofreu uma grave lesão no joelho direito. Apesar de recuperado, esteve relacionado em poucas partidas na temporada. Agora como coordenador técnico, preenche uma lacuna que estava vaga no clube após a demissão de Valdir Espinosa, em agosto de 2017.

– Não posso deixar de agradecer ao Grêmio por tudo que me proporcionou nesses anos. Agradecer a Deus por tudo que me proporcionou na carreira. Na reta final da minha carreira, o clube renovou o meu contrato com uma lesão muito séria, me deu todo apoio. Sou grato por tudo que sou hoje, minha mulher, minha família, a todo o estafe do Grêmio, que ajudou na minha recuperação.

O ex-zagueiro e lateral-esquerdo ainda pronunciou as primeiras palavras como dirigente do Grêmio. Prometeu falar novamente em outro momento, mas já adiantou que não será “mais um” na estrutura organizacional do Tricolor.

– Nesses últimos anos tenho preparado minha cabeça, estudado. Sei que é tudo novo. O que tenho na minha bagagem como atleta é importante, mas temos que seguir buscando conhecimento. Essa oportunidade que tenho aqui quero aproveitar da melhor maneira possível. Não quero só ser mais um aqui. É a melhor forma de agradecer, como sempre fiz na minha vida, com atitudes. Ajudando e sendo ajudado para fazer o Grêmio cada vez maior – encerrou.



Veja também