Uma das maiores contratações do Grêmio, o meia Jaminton Campaz sequer entrou em campo nos dois últimos jogos. Assistiu do banco a vitória sobre o Ceará e a derrota para o Flamengo, o que gerou dúvidas. A dificuldade com o idioma, a necessidade de maior marcação nesse momento e o projeto de futuro são alguns dos motivos para que o clube adote cautela com o colombiano de 21 anos.

Campaz entrou no segundo tempo das derrotas para o Flamengo, por Copa do Brasil, e Corinthians, no Brasileirão, ambas na Arena. Depois, foi relacionado para Ceará e novamente Flamengo, mas ficou apenas no banco de reservas.

Aliás, a rapidez com a qual foi utilizado também é visto, internamente, como um dos problemas. Não foi dado tempo para Campaz, que chegou no dia 19 de agosto e estreou seis dias depois.

– Eu conto com todos os atletas do Grêmio. Independente de quando foi contratado. Todos tem qualidades, são importantes e podem ajudar o Grêmio. Não faço distinção entre eles. E pretendo nas minhas convicções ver o melhor dos meus atletas para o hoje e o amanhã. Procuro desenvolver o melhor que meus atletas já possuem. Quero e trabalho para que estes mesmos atletas cresçam em todas as situações. Tanto técnica, tática e físicamente. Para este momento e para o futuro. Todos são meus atletas – reforçou Felipão, via assessoria de imprensa.

Campaz, do Grêmio — Foto: Eduardo Moura

Campaz, do Grêmio — Foto: Eduardo Moura

O Grêmio demorou cerca de um mês para contratar Campaz do Tolima, da Colômbia. O Tricolor comprou 100% dos direitos do meia, desembolsando US$ 3,5 milhões (R$ 18 milhões) ao clube colombiano e mais um valor ao atleta. O vínculo vai até 2025.

Escolha por um estilo de time

Fosse a cifra que fosse, ela pesaria menos para Felipão na hora de montar o time. O técnico tem dado prioridade para uma escalação que seja eficiente, na sua concepção, para lutar contra o rebaixamento no Brasileirão. E Campaz ainda está abaixo nessa hierarquia.

Primeiro, porque o entedimento é de que os jogadores, principalmente no meio-campo, precisam de poder de marcação na estratégia atual. Isso é uma das deficiências de Campaz, que destoa mais na parte ofensiva e criativa, razões aliás que fizeram o Grêmio ir buscá-lo na Colômbia.

É um pensamento da comissão técnica para o momento que o clube viva na temporada, onde uma derrota no Brasileiro é impensável, já que todos pontos importam para sair do Z-4.

— Peça importante é que ele tem 21 anos. É muito novinho, ainda tem que se adaptar a uma série de coisas, a forma de jogar, a uma situação que o Grêmio precisa no momento de jogar. Para que ele tenha se adaptado a isso e possa introduzir algumas coisas na marcação, que são essenciais nesse momento para o Grêmio. Estamos aos poucos aplicando, ensinando e, melhor, mostrando os caminhos para ele — disse Felipão após a derrota para o Flamengo

Rafinha e Campaz em treino do Grêmio — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Rafinha e Campaz em treino do Grêmio — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Comunicação com os colegas

Campaz ainda enfrenta um processo de adaptação. Internamente, os relatos são de dificuldade em relação ao português. Como por exemplo para seguir instruções rápidas da comissão técnica em treinos ou até nas preleções.

O jovem tem se apoiado muito em Borja, quase como um pai para o meia conforme brincadeiras internas, e também em Villasanti – ambos estrangeiros.

E o Grêmio entende que superando esse problema da comunicação, Campaz estará mais solto na rotina de treinamentos e nos jogos, bem com mais integrado com os colegas. Apesar de já esperada tais dificuldades, a diretoria do clube nutre expectativas que o meia evoluirá nas próximas semanas.

Presente e futuro

Evidente que o clube espera uma resposta de Campaz ainda nessa temporada. Mas o plano não para por aí. A diretoria gremista contratou Campaz dentro de um processo de reformulação do elenco para que tenha jogadores em evolução – e quem sabe no auge – para os próximos anos.

— Se for o caso de não jogar na partida seguinte, em duas ou três, não é problema. Ele não é contratado apenas para jogar esse campeonato. Nós iniciamos uma reformulação de elenco este ano para três, quatro, seis, quem sabe 10 anos. Então, a gente vai com calma — cpmpletou Felipão.

Afora isso, Campaz entra em um rol do atual processo de contratações do Grêmio, que antes eram mais centralizadas no ex-técnico Renato Portaluppi.

Agora, a Central de Dados Digitais (CDD) do clube indica uma lista de jogadores conforme os pedidos da comissão técnica. O documento é compartilhado com a direção do clube e qualquer negociação só avança com total aprovação, exatamente como ocorreu com Campaz.

Grêmio x Flamengo Arena Copa do Brasil Jean Pyerre Campaz Douglas Costa Ferreira — Foto: Lucas Bubols / ge

Grêmio x Flamengo Arena Copa do Brasil Jean Pyerre Campaz Douglas Costa Ferreira — Foto: Lucas Bubols / ge

Felipão e sua comissão pediram a diretoria do Grêmio um volante com capacidade defensiva e ofensiva equilibrada, um meia armador de velocidade e um centroavante. Ou seja: Villasanti, Campaz e Borja. O trio faz parte do futuro que o clube pensa.

Só que dentro de campo o Tricolor ainda não definiu como será a próxima temporada. Isso porque o clube é 18º colocado no Brasileirão, com 19 pontos. Pode até empatar em pontos com o São Paulo, primeiro fora do Z-4. Mas precisa vencer o Flamengo no domingo, às 20h30, no Maracanã.



Veja também