Foto: Fabiano do Amaral

Os jogadores do Grêmio celebraram o pentacampeonato gaúcho junto da torcida no gramado da Arena. Entre os diversos relatos e festejos, o sentimento que prevalecia era o de felicidade e a certeza de que a conquista servirá como ânimo na disputa do principal objetivo na temporada: acesso na Série B.

Autor de um gol e uma assistência na final, o zagueiro Rodrigues elogiou o trabalho de Roger, que lhe utiliza como lateral-direito. “Fiquei feliz ali. Professor me colocou na lateral e vou investir nela. Ele que vai decidir”, brincou.

“Como falei, isso é para passar confiança para a Série B. Não vou esquecer nunca desse Gauchão”, garantiu Villasanti. Alvo de pedrada antes de Gre-Nal, o jogador espera que o episódio tenha servido para evitar cenas como essa. “Tudo isso (pedrada) serviu para conscientizar as pessoas que os jogadores também tem família”, pontuou.

Parceiro de meio de campo, Lucas Silva garantiu foco nos treinamentos como a receita para a mudança de chave no time. “Só dentro de campo, só nos treinamentos poderíamos dar a resposta. Isso nos dá um fortalecimento para colocar o Grêmio no lugar onde ele merece”, avaliou. “Estou muito feliz de ter voltado. Aqui é minha casa”, disse o lateral Edílson, que recém retornou ao Tricolor.

Contestado pela torcida, o volante Thiago Santos foi outro a celebrar o título e pedir foco para o acesso na Série B. “Parabenizar nossa equipe. Fizemos por merecer. A rapaziada da base veio para nos deixar mais forte e o nosso objetivo maior é voltar para a série. Agora é focar para frente e tenho certeza que faremos mais uma festa grande aqui”, confessou o volante Thiago Santos. Com sua primeira taça na Arena, o jovem Campaz não escondeu a alegria. “Sabemos que é complicado ganhar um título e esperamos sempre dar mais alegria no nosso torcedor”.

De saída para o Atlético-GO, o argentino Churín confessou o sentimento distindo de deixar o campo, mas se disse contente por ter realizado um sonho em atuar em Porto Alegre. “Lutei muito para estar aqui. Infelizmente não foi como planejei, mas tivemos muitas coisas. Eu tratei por colaborar aonde era colocado. Os jogadores querem jogar. Quando cheguei aqui, o Diego não parava de fazer gols, não tinha como. O jogador sempre vai querer jogar”.



Veja também