A final da Libertadores se avizinha. A ansiedade dos gremistas aumenta cada vez mais. A vitória sobre o São Paulo, na última quarta, colocou mais um ingrediente no caldo da América: Jailson. O volante parece ter ca vaga no time titular a partir de uma retomada pessoal e modificou o que era uma estrutura praticamente decorada pelos torcedores e analistas: a dupla Arthur e Michel. Se não ganhou, está na frente na corrida para ser o titular contra o Lanús, na outra semana, na Arena.

“O Jailson subiu muito de produção. Estava meio largado. Foi dois ou três puxões de orelha do treinador e acordou. Vem jogando bem. Você vai dizer a qualidade do passe do Michel pode ser melhor, aí falo que a velocidade do Jailson é maior” (Renato)

Jailson foi titular em

Renato quase nunca comenta sobre questões individuais e táticas dos jogadores, para não “dar armas para os adversários”. Foi o que fez após o 1 a 0 na Arena, nesta quarta-feira. Mas deu uma dica sobre sua escolha ao citar uma velocidade maior de Jailson na recomposição e no combate ao time rival. Além disso, citou a recuperação de Michel de uma artroscopia no joelho esquerdo.

– Estou feliz com os dois. Michel vinha jogando muito bem, mas fez uma cirurgia inesperada, mexeram no joelho dele. O Jailson subiu muito de produção. Estava meio largado. Foi dois ou três puxões de orelha e ele acordou. Você vai dizer a qualidade do passe do Michel pode ser melhor, aí eu falo que a velocidade do Jailson é maior. Ninguém definiu que o Jailson vai jogar. Na minha cabeça não tem dúvida. Michel voltou bem e não sentiu nada no joelho. Melhor ter uma dúvida com os dois bem – sentenciou o técnico gremista.

Confira abaixo algumas razões para o crescimento de Jailson:

Ausência de Michel

O primeiro ponto tem a ver, claro, com o titular. Michel passou por uma artroscopia no joelho esquerdo para corrigir uma lesão no menisco no dia 30 de setembro. Portanto, menos de dois meses atrás. Ficou cerca de 20 dias afastado dos trabalhos com bola até retornar. Estava participando dos treinamentos já na véspera do duelo com o Barcelona-EQU, na semifinal da Libertadores, dia 25 de outubro – havia jogado 90 minutos contra o Palmeiras, no dia 22. Renato entende que o volante perdeu o seu melhor ritmo para o fim da temporada e está abaixo dos companheiros.

Intensidade na marcação

Jailson foi elogiado por Renato após o jogo com o São Paulo pela sua velocidade, maior em relação ao concorrente pela vaga. Michel tem um desarme preciso, mas por vezes não tem a explosão para retornar e compor a linha defensiva novamente. Esteve em campo em quatro dos últimos cinco jogos – ficou fora justamente quando o treinador escalou o time titular outra vez, contra o Flamengo, após a conquista da vaga para a final da Libertadores.

Renato citou velocidade de Jailson (Foto: Rodrigo Rodrigues/Divulgação Grêmio)

Ciclo “largado” encerrado

Renato preza muito pela seriedade nos trabalhos diários. Diz que todos precisam estar preparados para jogar. E diagnosticou em Jailson um pouco de “desleixo”, especialmente no início da temporada. O volante era visto constantemente treinando a mais com o preparador físico Rogério Dias após os companheiros terem ido para o vestiário após os treinamentos. Retomou a forma física.

O ponto de corte foi o jogo com o Botafogo, nas quartas de final da Libertadores, no Rio. Jailson substituiu Michel, suspenso, e fez uma grande partida naquele 0 a 0. Saiu dali com pontos com o chefe.

Jailson aprovou em prova de fogo contra o Botafogo  (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

Chance agarrada

O discurso é padrão. Mas é colocado em prática. Renato sempre diz que os jogadores precisam “estar preparados e aproveitar a chance”. Com a troca de escalações no Brasileirão, quase todo o elenco foi utilizado pelo treinador. A recuperação de Jailson é mais um ponto da estratégia utilizada pelo comandante durante a competição com a prioridade dada aos mata-matas, seja na Copa do Brasil ou na Libertadores.



Veja também