“Já estou com camisa da sorte”, revela Romildo antes da final com Lanús

Presidente do Grêmio afirmou que construiria agora estátua para Renato Portaluppi

22 de novembro de 2017 - Às 12:06
Foto: Luciano Amoretti

Apesar do discurso preciso e tranquilo, o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, não escondeu a ansiedade para a final da Libertadores, agendada para esta quarta-feira, contra Lanús, na Arena. Horas antes do jogo, marcado para as 21h45min, o mandatário gremista concedeu entrevista ao programa Agora, da Rádio Guaíba, e revelou que já está vestindo a camisa da sorte para o confronto da noite.

“Eu procuro usar roupas de jogos que eu ganhei e isso é verdadeiro. É uma superstição, mas não tenho o ritual. Já estou com a camisa da sorte, mas não é a mesma da final da Copa do Brasil de 2016, até porque perdi 43 quilos e então não tinha como vesti-la hoje”, disse Romildo aos risos.

Ao ser questionado sobre a possível construção de um monumento em homenagem a Renato Portaluppi, Romildo afirmou que já poderia dar início à obra pela trajetória do treinador. “Por mim, já construiria uma estátua para ele. Quando há um pedido desse tamanho, existem trâmites para serem vencidos. Há também um pedido para Lupicínio Rodrigues. São emblemas do clube e, sinceramente, o Renato está inserido neste rol”, explicou.

Grêmio finalista é o reflexo do seu momento

Para o presidente gremista, a chegada do Grêmio à final da Libertadores é um reflexo da trajetória que começou ainda no início da sua gestão, quando uma conjunção de fatores levou o clube a disputar diversos campeonatos de maneira competitiva.

“Priorizamos um projeto que fez a correção das coisas, nos tornamos um clube responsável, uma instituição que procura cumprir com seus compromissos e que procura fomentar a auto-sustentação. Acertamos nas grandes contratações temos um grupo extremamente fechado, com homens equilibrados e que querem consolidar carreiras. Tu não vais fazer futebol sem isso”, resumiu.



Veja também