Foto: Andre Avila

Saiu o Gre-Nal. O clássico 435, que deveria ter sido realizado no Sábado de Carnaval e foi adiado pelos atos de vandalismo contra a delegação do Grêmio, válido pela nona rodada do Gauchão, enfim, ocorreu. E deu Inter. Em uma partida que teve mais concentração, dedicação e qualidade do que o rival, o time de Alexander Medina venceu o de Roger Machado por 1 a 0, gol de David nos acréscimos do primeiro tempo.

O resultado classifica os colorados para a semifinal, onde já estavam os tricolores e o Ypiranga. Mas acrescenta um fator: se não houve algo completamente extraordinário na última rodada, prevista para sábado (12), a tendência é de que ocorra um novo Gre-Nal no próximo mata-mata.

O Gre-Nal começou com os dois times aparentando quebrar a expectativa de um jogo ruim, com dois times em baixa. O Inter, que saiu com a bola, partiu logo para cima e tentou se impor. No primeiro minuto, já chutou. Após trama que começou do lado direito, a bola chegou a Moisés. O lateral-esquerdo driblou para dentro e arriscou, com o pé “ruim” mesmo. Brenno voou e espalmou para escanteio.

O Inter seguiu com mais volúpia ofensiva, propondo os ataques nos 15 minutos iniciais, enquanto o Grêmio se resguardava e tentava controlar pela defesa. Assim, os colorados conseguiam chegar até a porta da área tricolor, mas não havia conclusão. As duas tentativas, uma de Taison, outra de Gabriel, foram bloqueadas pela zaga.

Seguia o time da casa com a iniciativa. A segunda conclusão que fez Brenno trabalhar foi de Mauricio. Pela direita, ele recebeu um passe de Bustos, de calcanhar, e bateu cruzado. O goleiro gremista pegou sem rebote.

A cena se repetiu aos 26. Com duas diferenças. A primeira é que Mauricio tabelou com David, e a segunda é que seu chute, mais forte, exigiu de Brenno um voo de braço esticado para espalmar pela linha de fundo.
O Grêmio, enfim, chegou ao ataque. Foram duas vezes entre os 30 e os 35. Ambas em bolas paradas. Na primeira, pela esquerda, Nicolas cruzou para a área e Bruno Alves até ganhou no ar, mas cabeceou desequilibrado. Na segunda, desta vez da direita, Nicolas alçou para o segundo pau, Elias escorou para o meio e Cuesta afastou. O lance havia sido interrompido por impedimento.

A melhor chance colorada apareceu aos 38. Mauricio cobrou escanteio da direita, Cuesta saltou mais do que a defesa gremista e cabeceou. A bola explodiu na trave.

Percebendo a superioridade colorada, Roger, então, tomou uma atitude. Antes mesmo do intervalo, tirou Rildo e colocou Bitello. A ordem era rechear o meio. Com isso, Campaz foi deslocado para a direita e Janderson caiu para a esquerda.

Aos 42, uma oportunidade para o Grêmio, a terceira de bola parada. Em falta cometida por Bustos ao lado da área, Nicolas bateu direto. A bola rompeu a área e todos os jogadores que se atiraram de carrinho chegaram atrasados.

O primeiro tempo se encaminhava para o fim quando chegou o prêmio ao Inter pela exibição superior. Eram 47 minutos. Geromel tentou um passe no meio e errou. Gabriel recuperou e acionou, de cavadinha, Edenilson. O camisa 8 conduziu pela direita e tocou para Bustos. O enésimo bom cruzamento do argentino não foi aproveitado por Taison nem por Mauricio, mas David estava atrás de todo mundo para, enfim, abrir o placar: Inter 1 a 0.

Os dois times voltaram com alterações do vestiário. No Grêmio, Roger tirou Orejuela e Janderson para colocar Rodrigues e Gabriel Silva. No Inter, Taison saiu para a entrada de Boschilia.

Mas o começo da etapa final foi igual ao que se viu na inicial. Aos três minutos, Boschilia recebeu de David pela esquerda e cruzou. Mauricio apareceu sozinho, mas concluiu para fora. Depois do lance, porém, o bandeira assinalou impedimento.

Aos oito, de novo o Inter esteve perto de ampliar. Após cruzamento da direita, Geromel cortou mal, no pé de David, que bateu forte. A bola explodiu no corpo do zagueiro gremista e saiu. Após revisão, foi confirmado que a bola não bateu na mão do capitão tricolor.

Daniel teve trabalho, de fato, pela primeira vez no Gre-Nal. Eram 14 minutos quando Nicolas cobrou uma falta frontal, mas de longa distância. A bola passou pelo barreira mas não pelo goleiro colorado, que espalmou.

Como passados uns minutos ficou nítido que essa conclusão havia sido um lance isolado, Roger fez mais uma troca, que envolveu mexer no sistema. Thiago Santos foi retirado do campo, entrando Vini Paulista, ponta de origem, em seu lugar. Voltava o 4-2-3-1.

O Grêmio quase conseguiu concluir em um momento que envolveu sorte e dedicação de Elias. Ele levou uma bolada de Kaique Rocha e teve vantagem no contra-ataque. Passou para Vini Paulista pela direita. A zaga do Inter voltou no desespero e Kaique Rocha chegou a tempo de salvar.

Foi a senha para Medina mexer no time, que havia baixado o ritmo claramente. Johnny e Wesley entraram nas vagas de Mauricio e David. No Grêmio também foi chamado um Wesley. O jovem de 19 anos, novidade entre os relacionados, substituiu Elias.

Nos minutos finais, o Beira-Rio comemorou pela penúltima vez. D’Alessandro foi chamado para o lugar de Edenilson. Saiu também Moisés e entrou Bruno Méndez.

A última vibração foi no apito final de Vuaden. Em um começo tão turbulento, vencer o rival traz calmaria.



Veja também