O cronômetro marca 22 minutos da etapa final de Grêmio x Bragantino, pela 19ª rodada do Brasileirão. Diego Churín pisa no gramado da Arena e faz sua estreia com a camisa tricolor. O novo atacante se mostrou intenso e vibrante, além de ter participado mais do jogo que o concorrente Diego Souza em menos tempo em campo.

Tudo era novo para Churín. Mas as ações do centroavante na partida mostraram o contrário. Coincidência ou não, quando entrou no lugar de Diego Souza, passaram-se quatro minutos e o Grêmio vencia por 2 a 0.

Em seus primeiros movimentos ao entrar em campo, correu para a área, pois o time tinha uma cobrança de escanteio a favor. Diogo Barbosa cruzou, ele subiu e atacou a bola, mas não a alcançou. Mas David Braz aproveitou a sobra e soltou a bomba para abrir o placar.

Churín vibrou junto com o zagueiro e ainda recebeu um abraço afetuoso de Lucas Silva durante a comemoração. Na sequência, fez jogada com Isaque pela direita. Novamente, a bola sobraria para ele, mas Orejuela foi mais rápido e estufou as redes adversárias.

Diego Churín disputa bola aérea em lance do gol do Grêmio — Foto: Eduardo Moura/ge

Diego Churín disputa bola aérea em lance do gol do Grêmio — Foto: Eduardo Moura/ge

Mais uma comemoração efusiva. Churín levantou Orejuela com um abraço, socou o ar – como quem grita “vamos!” – e vibrou com Isaque.

O argentino se movimentou, deixou a referência algumas vezes e mostrou dedicação ao dar carrinho no meio-campo para salvar uma posse de bola. Depois do apito final, foi conversar com a arbitragem, distribuiu cumprimentos e abraços e foi o último a deixar o gramado da Arena ao completar o trabalho físico pós-jogo.

— Acima de tudo, é importante a felicidade do Churín. Desde que chegou, ele valoriza onde está. Lógico que precisa de tempo para se adaptar, mas é intenso, briga o tempo todo. Eu já conhecia suas características. Sem dúvidas, sempre que enfrentou o Grêmio, deu problemas para a gente — disse o técnico Renato Portaluppi após o jogo.

De acordo com as estatísticas da TV Globo, Churín foi mais ativo do que o xará Diego Souza no jogo contra o Bragantino. Compare:

  • Diego Souza: 68 minutos em campo, duas finalizações, uma falta cometida, um passe certo e um passe incompleto.
  • Diego Churín: 22 minutos em campo, três faltas cometidas, nove passes certos e dois passes incompletos.
Orejuela comemora gol do Grêmio com Diego Churín — Foto: Eduardo Moura/ge

Orejuela comemora gol do Grêmio com Diego Churín — Foto: Eduardo Moura/ge

Ainda que Churín tenha deixado uma boa impressão, vale ressaltar: ele disputa titularidade com o artilheiro do Grêmio em 2020. Diego Souza tem 14 gols em 31 jogos na temporada, mesmo aos 35 anos – o argentino tem 30.

Portanto, resta aguardar os próximos minutos de cada centroavante em campo. Certo mesmo é que Diego Souza ganha uma sombra que antes não reconhecia.

O Grêmio volta a campo na quinta-feira, contra o Juventude, no Alfredo Jaconi, pela partida de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. No domingo, enfrenta o Fluminense no Maracanã pelo Brasileirão.



Veja também