Os jogadores do Grêmio entram na oitava semana de treinos físicos no Centro de Treinamentos Presidente Luiz Carvalho na segunda-feira. E seguem sem a presença do comandante principal.

Renato Gaúcho espera aval do departamento médico para deixar o Rio de Janeiro e retornar a Porto Alegre. Há quase 100 dias na capital carioca, o técnico permanece sem previsão de quando estará à frente da equipe.

O último jogo oficial do Tricolor ocorreu em 15 de março, quando o time superou o S ão Luiz por 3 a 2 na Arena, pelo Gauchão. Como houve a parada em razão da pandemia do coronavírus, Renato viajou ao Rio para ficar com a família.

Após 30 dias de férias, os gremistas voltaram aos treinos nos dias 6 e 7 de maio. O treinador, porém, foi vetado pelos médicos de deixar o Rio de Janeiro por estar no grupo de risco da Covid-19. Renato passou por duas cirurgias cardíacas desde o ano passado.

Além disso, o hotel que serve de moradia ao técnico, na zona norte de Porto Alegre, permanece fechado por conta da pandemia. O Grêmio deve providenciar a mudança de endereço de Portaluppi para uma das unidades da rede que patrocina o clube. Enquanto nada se define, já são 98 dias de treinos sem a presença do chefe.

– É assunto de ordem médica. Será definido pelo nosso corpo médico, em conjunto com os médicos do próprio Renato – resume-se a dizer o vice de futebol Paulo Luz.

Renato Gaúcho não tem previsão de retorno ao clube — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Renato Gaúcho não tem previsão de retorno ao clube — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

O técnico, apesar da distância física, monitora os passos do grupo no complexo gremista. Discute os trabalhos passados aos jogadores, bem como recebe a situação de cada um por telefone. Seu braço direito, o auxiliar Alexandre Mendes é quem comanda as atividades no CT Luiz Carvalho.

Renato também tem acompanhado a crise provocada pelo coronavírus. Sensível aos problemas, já realizou doações de cestas básicas para minimizar os prejuízos dos moradores de Porto Alegre com mais necessidades.

Estima-se que o retorno de Portaluppi à capital gaúcha esteja atrelado à flexibilização da prefeitura. Na última semana, o clube alimentou a esperança de que os treinos coletivos e táticos fossem liberados, o que não ocorreu.

Ao mesmo tempo que o ídolo tricolor espera um sinal para o retorno ao trabalho, o Grêmio aguarda uma definição da retomada das competições. O que também segue sem prazo.



Veja também