A derrota para o Sport no domingo, em plena Arena e com a volta da torcida, não traz reflexos negativos apenas na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro. Junto com isso, vem a forte pressão que uma equipe do tamanho do Grêmio sofre, com a desconfiança, as críticas, o abalo emocional do grupo, enfim, todos os fatores que envolvem um momento de crise. A turbulência atinge a todos no clube, principalmente o departamento de futebol, que, ao lado do presidente Romildo Bolzan Júnior, virou o alvo preferido dos torcedores.

O revés por 2 a 1 diante do Sport foi o mais doloroso até aqui para os gremistas. Desde a segunda rodada, o Grêmio está afundado na zona de rebaixamento. E desperdiçou a terceira oportunidade de sair dela, justamente contra um adversário direto e em profunda crise dentro e fora do campo. É a típica derrota que marca campanhas de rebaixamento. “Eu acredito que nós vamos conseguir fazer comque o Grêmio saia dessa situação”, disse Luiz Felipe Scolari após o jogo de domingo.

O problema é que a cada rodada que passa o time não mostra evolução técnica e tática e não dá sinais de que realmente pode reverter o quadro dramático em que se meteu. O vice de futebol, Marcos Herrmann, não consegue justificar tamanha dificuldade no Brasileirão em suas entrevistas coletivas. Ontem, a torcida Geral do Grêmio, que é reconhecida pelo clube mas está suspensa por conta dos fatos ocorridos em um protesto recente no CT Luiz Carvalho, utilizou as redes sociais para pedir a saída de Marcos Herrmann.

“Pelo bem do Grêmio, precisamos de pessoas competentes no comando do departamento de futebol. Pagamos, há anos, uma das maiores folhas salariais do país e o que estamos vendo é um futebol em decadência, sem comando e com péssima qualidade. Precisamos de mudanças para reagir”, diz o texto publicado pela torcida. Amanhã, na Arena, o Grêmio recebe o Cuiabá. Um novo resultado negativo – o empate já será considerado desastroso – pode acarretar em mudanças no comando do futebol.

A rodada do final de semana, de uma forma geral, foi péssima para o Grêmio, que viu adversários diretos como América-MG e Juventude somarem pontos. Uma vitória sobre o Cuiabá virou questão de sobrevivência para Felipão e seus comandados no Campeonato Brasileiro.



Veja também