Félix Zucco / Agencia RBS

No retorno da delegação do Grêmio a Porto Alegre, após a derrota na Libertadores para a Universidad Católica, reuniões entre dirigentes decidirão o rumo do clube na temporada 2020. A avaliação, tanto dos representantes no Chile como nos demais membros do corpo diretivo, é de que algo precisa ser feito para o Tricolor reagir de forma imediata. Existe o entendimento que o time caiu de produção e há setores com problemas de rendimento na própria comissão técnica.

São dois os profissionais com trabalhos criticados internamente. Márcio Meira, preparador físico contratado no começo do ano, e Klauss Câmara, executivo do departamento de futebol, que está em Porto Alegre desde 2019. Os dois correm risco de demissão nas próximas horas pela pressão nos bastidores.

— É o mínimo — disse um dirigente a GZH sobre a possibilidade da saída dos profissionais.

Nas últimas horas, os dirigentes que estão em Santiago evitaram qualquer contato público pelos maus resultados, mas já diagnosticaram que há deficiências com necessidades de alterações. Por isso, devem convocar uma reunião para sacramentar mudanças entre a quinta (17) e  sexta-feira (18).

Já há o entendimento que a parte física está com problemas. As diversas lesões no ano e os métodos confrontam o trabalho apresentado por Márcio Meira, buscado por Klauss Câmara. O executivo é contestado pelas contratações e acordos vistos como ruins, como o contrato com Thiago Neves, rescindido pela possibilidade de renovações e bonificação para o atleta que pouco rendeu em Porto Alegre.

Outras mudanças não estão descartadas, inclusive, na comissão técnica. Renato Portaluppi deverá seguir no comando do time pelo retrospecto recente em Gre-Nais, pela idolatria e títulos conquistados. O treinador completará na sexta-feira quatro anos como técnico da equipe. 



Veja também