Grêmio vê era dourada e aposta em “ciclo virtuoso” para estender conquistas

Direção exalta ano que teve o tri da Libertadores e se resigna à qualidade da "seleção" Real Madrid na derrota por 1 a 0 na final do Mundial

17 de dezembro de 2017 - Às 13:08

O Grêmio encerra o ano de 2017 com o gosto amargo da derrota na final do Mundial de Clubes para o Real Madrid na tarde de sábado (noite em Abu Dhabi), nos Emirados Árabes. Mas o time foi aplaudido pela torcida nos quatro cantos do planeta, que, aliás, segue intacto. Mais do que lamentar o revés contra um time superior, a direção citou um “ciclo virtuoso” iniciada pelo Tricolor gaúcho.

Presidente Romildo Bolzan, diretor Saul Berdichevski e vice de futebol Odorico Roman passam a pensar em 2018 (Foto: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação)

As palavras foram postas pelo vice de futebol Odorico Roman e o presidente Romildo Bolzan Júnior. Roman fez um balanço da temporada com dificuldades, mas que encerrou de uma maneira vitoriosa. Faltou apenas superar o Real Madrid, uma equipe vista pelos dirigentes como “seleção”.

– O que fica do jogo é que o Grêmio enfrentou uma equipe com uma superioridade absurda. Uma seleção de seleções. Perdeu por 1 a 0 o Mundial, mas o balanço do ano é muito bom. O Grêmio está entrando em um ciclo virtuoso, para ter muitas conquistas. Ganharemos mais títulos. Enfrentamos algumas dificuldades, mas contratamos com muito critério – afirmou Odorico.

O momento de conquistas tricolores passa pelo título da Copa do Brasil do ano passado e a Libertadores de 2017. No meio disso tudo, há a briga com o Corinthians pelo Brasileirão, que foi perdendo fôlego à medida que o clube avançava na competição continental e precisava eleger prioridades. O mandatário gremista falou em “legado”.

– Esse grupo já deu legado da Copa do Brasil no ano passado. Neste ano, a Libertadores, disputou a semifinal da Copa do Brasil, o Brasileiro até o fim. Então, a gente está trabalhando essa ideia de manter o grupo, e o legado é ser um grupo vitorioso – destacou Romildo.

Foto: Eduardo Moura

Os cartolas tricolores também se resignaram com o resultado de campo em Abu Dhabi. Reconheceram que o elenco “galáctico” do Real Madrid dificilmente seria batido e admitiram a necessidade de um grupo com mais opções para vencer. As atuações de Geromel e Kannemann, os quais conseguiram parar o ataque espanhol, foram elogiadas pela direção. E o fim de temporada também cobrou o preço, para os gremistas.

– Obviamente que, para conquistar o Mundial, precisaríamos do time um pouco mais reforçado. O Grêmio esteve muito bem. Geromel e Kannemann estiveram muito bem. Eles estão no meio da temporada. Muitas jogadas eles ganharam na força física. Algumas deficiências custaram a derrota – acrescentou Odorico.

A delegação gremista retorna a Porto Alegre na segunda-feira. Na manhã deste domingo, o grupo já embarca no avião em solo árabe e fará a mesma estratégia da ida, com voos separados e escala na Europa. Os jogadores entram em férias agora, e a data da reapresentação ainda não foi definida.



Veja também