Foto: Eduardo Moura

Em meio a um clima de frustração, a derrota de virada por 2 a 1 para o Deportes Iquique, na última quarta-feira, impediu o Grêmio de desembarcar do Chile, nesta quinta, com a classificação matemática à oitavas de final da Libertadores com uma rodada de antecedência. De quebra, reduziu as possibilidades de o Tricolor encerrar a primeira fase com a melhor campanha geral. Mas o revés em solo chileno não chega a causar preocupação aos gremistas para a sequência do Grupo 8.

Até porque a classificação está praticamente selada. Líder da chave, o Grêmio precisa somar apenas um ponto na Arena contra o Zamora – ainda zerado na competição – na última rodada para se garantir nas oitvas. A vaga, aliás, pode ser confirmada ainda nesta quinta-feira, caso o Guaraní-PAR não vença o rival venezuelano no La Carolina, fora de casa.

– A gente veio em busca desse resultado que nos dava um primeiro lugar e depois o máximo de pontos por uma pontuação maior que a dos outros classificados. Quanto à classificação, não tenho dúvida – afirmou o técnico Renato Gaúcho.

Sem motivo para alarde, o tropeço põe o Tricolor em condições adversas para buscar a melhor campanha da primeira fase. Com cinco jogos, o Grêmio tem os mesmos 10 pontos do Barcelona de Guayaquil, com quatro partidas. O River Plate é o úncio clube 100%, mas com três vitórias em três jogos.

– Nunca é hora de perder. A derrota pode prejudicar algum planejamento, em termos de classificação melhor entre os primeiros. Agora, vamos pensar no próximo jogo – admite o vice de futebol Odorico Roman.

De volta do Chile, o elenco teve folga na tarde desta quinta-feira e se reapresenta na sexta pela manhã. Com o próximo compromisso marcado apenas para o dia 14, quando encara o Botafogo, na Arena, às 19h, na estreia pelo Campeonato Brasileiro, o grupo volta a ter dois dias livres no fim de semana. Pela Libertadores, o Grêmio só volta a campo no dia 25 de maio, quando recebe o Zamora.



Veja também