Grêmio supera desfalques com organização e usa bola parada para vencer 1ª fora

Tricolor vence Botafogo sem sete titulares, mostra noção das próprias dificuldades e ganha arma com cobrança de falta de Jean Pyerre

13 de junho de 2019 - Às 12:06

Se a vitória por 1 a 0 em cima do Botafogo foi no dia dos namorados, faltou um pouco de amor do time do Grêmio para dar uma atuação mais tranquila para sua torcida. Apesar disso, uma vitória sempre é apaixonante, ainda mais quando é a primeira fora de casa no Campeonato Brasileiro.

Mas a noite da última quarta-feira ganhou mais ingredientes que os três pontos somados pelo time gaúcho no Nilton Santos. Renato Portaluppi não pôde contar com sete jogadores considerados titulares: Geromel, Kannemann, Bruno Cortez, Maicon, Matheus Henrique, Luan e Everton. Os reservas Paulo Miranda e Marcelo Oliveira também seguem fora.

Com isso em mente, o Tricolor sabia exatamente o que tinha de fazer para voltar a Porto Alegre com a primeira vitória como visitante: ser sólido na defesa, controlar as ações de um time que gosta de ter a posse de bola e, quando a chance aparecesse, fazer o gol.

Volantes Rômulo e Thaciano cercam Diego Souza, com Leonardo (de costas) por perto — Foto: André Durão

Volantes Rômulo e Thaciano cercam Diego Souza, com Leonardo (de costas) por perto — Foto: André Durão

O time de Renato cumpriu as duas primeiras missões com êxito. Apesar de não contar com Geromel e Maicon, vetados no aquecimento Michel foi novamente recuado e deu conta do recado na defesa.

Os cinco homens no meio de campo, a começar pelos reservas escalados às pressas Rômulo e Thaciano, deram a consistência necessária para que o Botafogo pouco ameaçasse o gol de Paulo Victor.

– O Grêmio é isto que você viu. Sem tantos titulares, contra o quarto colocado, fizemos esta partida. (A parada) Será importante para treinar tudo. Principalmente pelo momento que vivia. Será ruim para os que estão à frente, mas boa para quem está atrás e com jogadores no departamento médico – comentou Renato.

Na zaga e como capitão, Michel fez partida segura — Foto: Alexandre Loureiro/BP Filmes

Na zaga e como capitão, Michel fez partida segura — Foto: Alexandre Loureiro/BP Filmes

Então, faltava apenas aproveitar as chances na frente. No primeiro tempo, as melhores oportunidades saíram pela esquerda, com Diego Tardelli e Juninho Capixaba formando uma boa dupla ao explorar os espaços deixados por Fernando.

Bola parada resolve

Eduardo Barroca arrumou o time carioca no intervalo, e o jogo ficou mais truncado durante todo o segundo tempo. Mesmo que o Grêmio tenha registrado 51% de posse de bola nos 90 minutos, a etapa final teve o Botafogo a rondar a área tricolor.

A saída foi a bola parada, arma que Renato agora sabe que pode contar com Jean Pyerre. Sem Luan, o Grêmio se ressentia de um cobrador de faltas. Havia sido do camisa 7 o último gol marcado em bola parada, em 24 de março, na goleada por 6 a 0 sobre o Juventude, pelo Gauchão.Renato Gaúcho abraça Jean Pyerre ao final da partida — Foto: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação

Renato Gaúcho abraça Jean Pyerre ao final da partida — Foto: Lucas Uebel/Grêmio/Divulgação

Depois da partida, o meia contou que treina o fundamento rotineiramente, e os jogadores o apoiaram na hora da cobrança.

– A bola parada é fundamental. Ela pode decidir, como ocorreu hoje (quarta). Acertei, mas haverá dias que vou errar. Não posso abaixar a cabeça. Todos têm confiança em mim e mandam eu bater. Fico muito feliz com este reconhecimento. Trabalho bastante (faltas), como Juninho, Maicon e Luan. Me ajudam para acertar o posicionamento – disse Jean.

O Grêmio chega à parada do Brasileirão com 11 pontos e em 11º lugar – mas ainda pode ser ultrapassado ao fim da rodada. A próxima partida pelo Brasileirão será só no dia 14 de julho, quando recebe o Vasco, na Arena. Quatro dias antes, no entanto, começa a disputa das quartas de final da Copa do Brasil, contra o Bahia, também em casa.



Veja também