Foto: Lucas Uebel/Grêmio

A vitória sobre o Juventude veio, mas não sem algum quê de preocupação para o Grêmio. Os gols sofridos pelo clube gaúcho na partida do último domingo ocorreram no segundo tempo, o que, aliás, têm sido uma constante na temporada e nas últimas partidas.

O Tricolor sofreu 61 gols até o momento nas 59 partidas disputadas na temporada. O ge contabilizou que 40 deles saíram nos segundos tempos dos jogos, o que significa 65% dos gols. Foram 15 levados nos primeiros 15 minutos da etapa final e outros 17 nos últimos 15 das partidas.

Se o recorte for as últimas cinco partidas, os dados mostram que o problema é atual. O Grêmio levou oito gols nos duelos contra Juventude, Fortaleza, Santos, Cuiabá e Sport.

Destes, apenas um deles, no empate com o Cuiabá, saiu na primeira etapa. Os outros sete ocorreram na metade final, sendo quatro deles depois dos 30 minutos. Contra o Juventude, pode ser fruto de um relaxamento pela vantagem de três gols no placar. Ainda assim, isso tem sido uma constante no ano.

– Tomamos dois gols que o Vagner avisou que era a jogada do Juventude. Os erros que aconteceram são maravilhosos porque foram em uma vitória do Grêmio. Podemos corrigir isso em uma semana de trabalho, porque o Vagner vai trabalhar intensamente em cima disso – garantiu o vice de futebol Dênis Abrahão.Até eu, quando fez o terceiro gol, dei uma relaxada. Isso acontece. Com os jogadores também. Os gols que tomamos foram cantados pelo treinador. Não faltou perna.— Dênis Abrahão, vice de futebol

Os gols sofridos nos últimos 5 jogos

  • Juventude: 13 minutos e 48 minutos do 2º tempo
  • Fortaleza: 33 minutos do 2º tempo
  • Santos: 46 minutos do 2º tempo
  • Cuiabá: 22 minutos do 1º tempo e 33 minutos do 2º tempo
  • Sport: 7 minutos e 24 minutos do 2º tempo

Contra o Juventude, os erros não custaram os três pontos. No entanto, o Grêmio perdeu os jogos para Santos e Fortaleza já nos minutos finais das respectivas partidas. Contra o Cuiabá, ao menos o Tricolor buscou a reação no fim e conseguiu o empate logo depois sofrer gol.

A semana será de alguns ajustes em cima dos gols sofridos domingo e também em princípios de Mancini, com pressão em cima do adversário e intensidade na marcação. O treinador pode inclusive fazer uma mudança na defesa. Ruan está de volta após cumprir suspensão e disputa a vaga com Paulo Miranda.

No Brasileirão, o Tricolor tem 30 gols sofridos em 25 jogos disputados e tem a 7ª pior defesa da competição. A intenção a partir da chegada de Vagner Mancini, no entanto, é justamente apresentar um time mais ofensivo para tentar fugir do rebaixamento.



Veja também