Há mais de quatro anos no Grêmio, o técnico Renato Portalupp vive o quinto momento de renovação contratual com o clube gaúcho. Embora seja predominante a ideia de manter o ídolo no comando, também cresce uma corrente interna a contestar o trabalho do treinador.

Hoje, as principais decisões do Grêmio são tomadas pelo Conselho de Administração, presidido por Romildo Bolzan Júnior e que conta com seis vices. O mandatário, de relação estreita com Renato, já manifestou a intenção de renovar com o treinador nas conversas para ampliar o contrato até o fim de fevereiro.

Renato atualmente tem vínculo até o próximo dia 28, o mesmo do primeiro jogo com o Palmeiras na final da Copa do Brasil. A segunda partida será no dia 7 de março, o que obriga um aditivo no contrato para terminar a temporada 2020.

— Como o Renato disse, é assunto que será tratado no encerramento do Brasileirão e da Copa do Brasil. Permanência para a Copa do Brasil será de fácil resolução, depois ele e o presidente sentam e resolvem a situação — destacou o vice de futebol Paulo Luz.

Romildo Bolzan e Renato Portaluppi têm relação próxima — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Romildo Bolzan e Renato Portaluppi têm relação próxima — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Queda de produção em análise

Essa posição de Bolzan se mantém. Mas internamente na alta cúpula gremista já há mais dissidentes que entendem que há uma “fadiga” no clube e que o trabalho caiu de produção. As entrevistas recentes também foram citadas como pontos negativos. Mas é com base no último mês de trabalho que a análise será feita.

A avaliação fica em cima dos resultados e do rendimento em campo, já que os protocolos criados por conta da pandemia de Covid-19 impedem uma proximidade maior de dirigentes. Não há mais contato em jogos fora de Porto Alegre, por exemplo, ou presença em treinamentos no CT Luiz Carvalho.

Portanto, a leitura é diretamente influenciada pelos atuais seis jogos sem vitória. Há alguns vice-presidentes que contestam o trabalho da comissão técnica e defendem a troca ao final da temporada 2020.

Também existe o entendimento que Renato tem condições de ajustar o time no período restante até a final da Copa do Brasil. Por conta da falta de torcida nos estádios, o termômetro das redes sociais aponta para questionamentos ao ídolo.

Ao mesmo tempo, conforme ouviu o ge, ainda não há discussão de nomes como alternativas para a função. Na oscilação anterior, em setembro, Roger Machado e Tiago Nunes agradavam a dirigentes.

— O Grêmio não tem (plano B). Não existe nada, é um assunto que vamos tratar no devido momento com o Renato e o presidente Romildo — garantiu Luz.

Técnico avalia trabalho e poder de investimento

O próprio treinador pediu para discutir a permanência em 2021 apenas depois das competições. A prioridade, claro, sempre é do Tricolor, e opções de mercado não são determinantes. A postura é natural e vem de outros anos, mas a atual temporada é diferente.

Sempre há pelo menos um mês para se negociar a renovação. No momento atual, porém, o 2021 do Grêmio já terá começado sem que o 2020 tenha acabado. Pois a decisão da Copa do Brasil será em março, depois do início do Gauchão deste ano.

Renato tira foto com torcedor do Grêmio — Foto: Reprodução/RBS TV

Renato tira foto com torcedor do Grêmio — Foto: Reprodução/RBS TV

Renato gosta de ter uma conversa com Romildo sobre o poder de investimento do Grêmio para a temporada seguinte. Isso já ocorreu em outros anos e vai acontecer de novo para projetar 2021. O treinador não tem decisão tomada para o futuro.

Contratado em setembro de 2016, Renato está há mais de quatro anos no comando e completou 400 jogos no empate com o Coritiba, no domingo. É o técnico com mais partidas pelo clube e conquistou Copa do Brasil, Libertadores, Recopas Sul-Americana e Gaúcha e o tricampeonato estadual no período.



Veja também