A classificação às oitavas de final da Libertadores da América está garantida, e o Grêmio só volta a jogar pela competição sulamericana no dia 22 de outubro. Nesse intervalo até o último compromisso pelo Grupo E, o Tricolor terá cinco partidas para buscar a reação no Campeonato Brasileiro, no qual a situação é completamente inversa. O time de Renato Portaluppi atualmente flerta com a zona de rebaixamento, algo impensável para um grupo tido como um dos mais qualificados do país.

Serão 15 pontos a serem jogados – nove deles dentro da Arena – em 14 dias. A começar pelo clássico Gre-Nal do próximo sábado. “Nosso objetivo agora é voltar a vencer no Brasileiro”, diz o zagueiro David Braz. O grupo poderá se focar apenas em uma competição nas próximas duas semanas. “Agora é Brasileirão, temos consciência da importância dos jogos”, destaca o zagueiro Rodrigues. Depois de encarar o Inter, a tabela prevê os confrontos contra Coritiba (Arena), Santos (fora), Botafogo (Arena) e São Paulo (fora).

Renato ganhará opções para o Gre-Nal na Arena. As principais estão no meio-campo. Maicon e Jean Pyerre devem ficar à disposição. Mas dificilmente o treinador irá escalar dois atletas que estão retornando de lesão. A possibilidade maior é de Maicon iniciar e Jean ficar como opção no banco de reservas. Lucas Silva, que não enfrentou a Universidad Católica na terçafeira por estar suspenso, é outro que pode retornar no clássico.

Há uma dúvida a ser dirimida no sistema defensivo. Rodrigues e Paulo Miranda disputam a vaga ao lado de David Braz. A tendência é que Paulo Miranda seja o escolhido, principalmente pela questão da experiência. Geromel e Walter Kannemann, ambos diagnosticados com a Covid19, serão os desfalques mais notáveis para o Gre-Nal e os próximos jogos no Campeonato Brasileiro. O Tricolor defenderá uma invencibilidade de dez jogos diante do maior rival.



Veja também