O Grêmio espera que Rafael Borré, do River Plate, assine o pré-contrato entre esta terça e quarta-feira, após dizer “sim” para o clube. Porém, tamanha demora causa incômodo entre a diretoria gremista. A ponto de fazer o clube cogitar analisar outros nomes para a posição.

Borré deu mais de uma sinalização positiva ao Grêmio que aceitaria a oferta de pré-contrato enviada ao atacante. Entretanto, a assinatura ainda não ocorreu. Há um misto de confiança e também cautela entre os dirigentes, à espera da definição.

Inclusive, o clube cogita, internamente, dar início a outras movimentações no mercado para achar um atacante goleador. Esta é uma das prioridades do Grêmio no mercado, expressa publicamente por Renato Portaluppi.

As palavras usadas por uma fonte consultada pelo ge são de que o clube não irá “esperar eternamente” pelo atacante e de que a “roda tem que girar” com ou sem Borré. Há quem diga também que a demora “esfria” o interesse do clube no atleta.

Borré dá entrevista antes do treino do River Plate em Lima — Foto: EFE/Paolo Aguilar

Borré dá entrevista antes do treino do River Plate em Lima — Foto: EFE/Paolo Aguilar

Em entrevista após a vitória sobre o Pelotas, o presidente Romildo Bolzan afirmou que o Grêmio tem um acordo verbal com Rafael Borré. Até a última segunda-feira, a diretoria mantinha a confiança no acerto. Mesmo após uma conversa do atacante com o técnico Marcelo Gallardo.

Mesmo assim, o Grêmio espera que fatores externos não atrapalhem a negociação. A imprensa argentina noticiou que Gallardo conversou com Borré para que ele espere mais tempo até assinar o pré-contrato. O vínculo do atleta com o River se encerra em 30 de junho.

Os valores apresentados ao jogador de 25 anos são de cerca de US$ 6 milhões de luvas (R$ 34,54 milhões, na cotação atual), US$ 2 milhões (R$ 11,51 milhões) de salário por ano e mais bônus por metas no contrato.



Veja também