Um tempo bom, outro nem tanto. Alguns jogadores considerados titulares, mas a espinha dorsal fora. Um resultado satisfatório se levado ao racional planejamento, mas com gosto de mais para os torcedores passionais.

O Grêmio, ao preservar jogadores, sacrifica seu melhor desempenho, como foi no 1 a 1 com o Ceará, e procura um equilíbrio na estratégia usada no Brasileirão nos últimos anos.

Na noite de quarta-feira, em Fortaleza, o Tricolor teve Cortez, Alisson e Pepê de titulares. Orejuela é atualmente o lateral-direito principal pela lesão de Victor Ferraz. E Lucas Silva reveza no meio-campo. Além de Ferraz, Renato não pode contar com Guilherme Guedes e Paulo Miranda, todos no departamento médico.

Matheus Henrique, em recuperação de desconforto muscular na coxa esquerda, treinou antes da viagem, mas o técnico entendeu por bem dar mais tempo de trabalho ao volante antes de colocá-lo em campo.

Lucas Silva tem revezado no meio com Matheus Henrique e Maicon — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Lucas Silva tem revezado no meio com Matheus Henrique e Maicon — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Jean Pyerre está fora por problemas particulares. A lista de preservados teve ainda Vanderlei, Geromel, Kannemnn, Maicon e Diego Souza. Destes, só o argentino com menos de 34 anos.

“Eu quero jogar sempre com a equipe principal. Mas é impossível. Eu estou cansado e nem jogo” (Renato)

— Pelo desgaste mental, pela viagem. Imagina os jogadores que vêm em uma pegada grande. Até porque ficaram quatro meses sem jogar e é um jogo atrás do outro. Daqui a pouco as outras equipes vão fazer a mesma coisa. Não adianta trazer a equipe que vinha jogando e perder três ou quatro — justificou o técnico após o empate.

O cuidado com os veteranos até se justifica. Mas o Grêmio ainda procura o equilíbrio dentro da estratégia das preservações. Pelas chances criadas no primeiro tempo, mostrou que um pouco mais de qualidade levaria os três pontos de volta a Porto Alegre.

As razões para não levar todos a Fortaleza são consideráveis: a viagem de cinco horas, o jogo já no sábado contra o Corinthians e a sequência desde a retomada. Mas, dos 10 atletas ausentes, oito são titulares.

Diminuir essa diferença é necessário para a campanha. Até porque sem eles, a mecânica já construída fica comprometida e vira justificativa. É também bom dizer que não há certo e errado. Se pode chegar ao sucesso com diferentes caminhos.

“Quero ser campeão brasileiro. O clube quer ser campeão. Vamos buscar esse título, trabalhamos para isso. Mas preciso pensar” (Renato)

— Não vou colocar em campo jogadores que não têm condições pela sequência de jogos e cansaço. Muito grande a chance de perder por uma lesão mais grave.A única queixa é não termos o entrosamento necessário. Mas as mudanças eram necessárias — reiterou o treinador.

No Castelão, o primeiro tempo foi de pelo menos três chances claras criadas na frente de Fernando Prass. Thaciano faria o gol na etapa final depois de mais uma oportunidade. E este foi o último capítulo do Tricolor no jogo, praticamente. Depois, contentou-se com o resultado e o ponto conquistado.

A escolha sempre causa controvérsia junto aos torcedores. Muitos criticaram as mudanças e o fato do empate ter sido considerado bom. Fora da passionalidade normal da torcida, o Grêmio tem de fato quatro em seis pontos disputados, está invicto há 12 jogos, desde fevereiro, e dentro do G-4 do Brasileiro.

O único porém é que o time esteve entre os quatro primeiros nas últimas edições. E os gremistas parecem ambicionar mais que a presença na Libertadores. No sábado, contra o Corinthians, na Arena, a equipe terá força máxima.



Veja também