O trabalho para encontrar um novo treinador do Grêmio tem uma ideia definida. Ainda que Tiago Nunes desponte como o favorito, o substituto de Renato Portaluppi precisa ser um profissional que valorize as categorias de base e ajude no processo de lapidação dos garotos. O foco do clube, ao contrário das últimas temporadas, será o Brasileirão.

Tão logo ficou definida a saída do ídolo tricolor, Romildo Bolzan começou a buscar o futuro treinador. O ex-comandante do Athletico-PR e Corinthians já tem avanço nas conversas, embora o presidente despiste sobre a situação. A ideia é só anunciar o profissional que estará à frente da equipe após a escolha do vice de futebol.

O movimento serve também para fortalecer o futuro comandante do principal departamento do clube, além da definição sobre um novo executivo. Só que já há um conceito prévio no que se procura no técnico, que será brasileiro. Até por já conhecer o plantel e como se pensa na Arena.

Romildo Bolzan, presidente do Grêmio — Foto: Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

Romildo Bolzan, presidente do Grêmio — Foto: Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

É fundamental ter um olhar especial para pinçar as promessas e lançá-las no grupo principal e, aos poucos, dar oportunidade. No período de Renato, muitos garotos ganharam projeção. Casos de Arthur, Matheus Henrique, Luan, Everton, Pepê, e Jean Pyerre.

– É um treinador que saiba preparações técnica, tática, física, questão emocional do grupo. Que tenha predileção para trabalhar com jovens. Esta é a proposta primeira deste ano. Se vier jogador pontualmente, será bem avaliado. Será brasileiro (o técnico). Se tiver situação de vínculos, vai conhecer o Grêmio, sabe o que faz – disse o presidente.

A busca por um técnico que trabalhe com jovens se explica pela visão atribuída pela diretoria à temporada. Romildo comparou 2021 com 2015 e disse que será um ano de transição para o clube.

– Ela acontecerá durante o ano. Como vimos em 2015, 2016, levamos dois anos para conquistar um título. Organizar a sua forma, seu elenco e organização de força no Brasileiro. Teremos contratações pontuais. A verdade é essa. Será uma política de transição, de novo elenco, visando ao Brasileiro e Copa do Brasil –

O presidente diz que essa transição tem como foco a disputa do Campeonato Brasileiro. Algo diferente do que ocorre tradicionalmente no clube. Nos últimos anos, o Tricolor dava prioridade total à Libertadores. Em segundo lugar, vinha a Copa do Brasil.Quanto a trocar de estilo de jogo, o que acontece daqui para frente, é que o Grêmio passa a ter uma perspectiva diferente, de não disputar Libertadores. Diz respeito à preparação do Brasileiro. O Grêmio faz nitidamente um novo elenco. A renovação não acontece rapidamente.— Romildo Bolzan Júnior

O Brasileirão sempre ficou relegado por ser um campeonato mais longo e visto com menos chances de conquista. Mas a saída precoce na Libertadores criou uma alteração nos bastidores.

A Copa Sul-Americana, que inicia nesta quinta-feira diante do La Equidad, da Colômbia, não receberá o mesmo apreço das disputas nacionais. E o outrora preterido Brasileirão subiu na hierarquia, com um grupo que ganhará peças ao longo do ano para lutar pela título.

Mas tudo isso, fica mais para frente. O objetivo imediato é definir o vice de futebol nos próximos dias e, então acertar os detalhes para a contratação do treinador, que caminha para ser Tiago Nunes.



Veja também