Foto: Bruno Corsino

A empolgação pelas mudanças na direção de futebol e na comissão técnica do Grêmio duraram uma partida. No segundo jogo sob comando de Denis Abrahão na vice-presidência e Vagner Mancini na casamata, o time voltou a cometer muitos erros, demonstrar instabilidade emocional e, por consequência, a perder. Desta vez, o algoz foi o Atlético-GO.

Além de perder por 2 a 0 dos goianos, o Tricolor teve ainda expulsão de Paulo Miranda e mais três desfalques para o próximo jogo, Rafinha, Ferreira e Luiz Fernando. A equipe segue na penúltima posição no Brasileirão.

Mancini repetiu o time que havia vencido o Juventude. Exatamente os mesmos 11, com Paulo Miranda na zaga (mesmo que Ruan tivesse cumprido suspensão), e Diego Souza de centroavante (mesmo que Borja estivesse recuperado de lesão). No Atlético-GO, Eduardo Souza contou com o retorno do volante Marlon Freitas, que ficou dois meses afastado, machucado.

Os primeiros minutos tiveram iniciativa do time da casa. No segundo minuto, Janderson bateu de fora da área e Brenno pegou sem problemas. Pouco depois, em um contra-ataque às costas de Vanderson, o Atlético-GO chegou a ter dois contra um, mas Kannemann conseguiu impedir a bola de chegar a André Luis, que entrava sozinho.

O Grêmio respondeu aos 10 minutos. Em cobrança ensaiada de escanteio, Douglas Costa cruzou na área e Thiago Santos cabeceou perto da trave.

O jogo era bastante corrido e pouco pensado. Os dois times buscavam o gol e apenas o gol. Por isso, havia também muitos erros, especialmente em passes e cruzamentos. Apesar disso, o Grêmio é quem estava mais próximo. Douglas Costa chutou para fora. Na sequência, em uma jogada na área, Alisson escorou e Jean Pyerre chutou de esquerda. A bola bateu na perna de Eder, quando ia na direção do gol.

O Atlético-GO, retraído, tentava apenas em contra-ataques. Não chegou a atacar, mas obrigou Kannemann e Paulo Miranda a fazerem faltas e levar cartão amarelo.

Aos 29, a melhor oportunidade apareceu para o Grêmio. E em um contragolpe. Vanderson arrancou pela direita, passou para Jean Pyerre, que achou Villasanti na área. O paraguaio bateu de carrinho, de primeira, e Fernando Miguel fez grande defesa.

A pressão do Grêmio era intensa. A toda hora, rondava a área do adversário. Mas faltava concluir com qualidade. Pois quando parecia questão de tempo abrir o placar, foi surpreendido. Aos 43, o zagueiro Eder percebeu um espaço às costas de Vanderson e lançou Igor Cariús. O lateral gremista falhou, esperou a bola bater no chão, Brenno saiu atrasado e Cariús deu um leve toque para fazer 1 a 0.

O gol desnorteou tanto o Grêmio que o Atlético-GO quase ampliou antes do intervalo. Janderson, lá do canto da área, bateu forte e Brenno espalmou no alto. Felizmente para o time de Mancini, o primeiro tempo acabou.

Não houve mexidas na volta do intervalo. E o segundo tempo iniciou-se igual ao primeiro. O Grêmio forçando, tentando pressionar, e o Atlético-GO contra-atacando. Aos três, logo depois de Villasanti, sozinho na intermediária, chutar quase na bandeirinha, Janderson arrancou em velocidade na esquerda, driblou Rafinha e bateu, mas Brenno estava atento e defendeu sem rebote.

O tempo ia passando e enervando o time gaúcho. A situação só não piorou porque o árbitro perdoou uma expulsão de Kannemann, que fez falta em André Luis, mas o juiz não marcou. Logo depois, Arnaldo recebeu na área, pela direita, e bateu cruzado, assustando Brenno.

Aos 11, Douglas Costa errou um passe tentando atravessar a bola para Jean Pyerre. Foi a senha para Mancini trocar os dois: entraram Borja e Ferreira. O Grêmio passaria a ter dois jogadores na área para receber cruzamentos.

Se tentaria aumentar a pressão, ao mesmo tempo os gaúchos abriram espaço. Aos 22, o Atlético-GO chegou em um lance elementar, quase de escolinha. André Luis fez papel de pivô na área, girou em cima de Paulo Miranda e, quando se preparava para fazer o gol, foi puxado por Paulo Miranda. Pênalti. O árbitro foi ao VAR para confirmar e voltou com o cartão vermelho para o zagueiro gremista. Aos 26, Marlon Freitas cobrou, tirou Brenno do lance e ampliou: 2 a 0.

Mancini tratou de recompor a defesa, mesmo com a desvantagem. Tirou Diego Souza e colocou Ruan. Na mesma parada, trocou Villasanti por Luiz Fernando.

Em um minuto em campo, Luiz Fernando acertou Eder fora do lance e levou cartão. É seu terceiro. O Atlético-GO só não fez o terceiro, aos 31, porque Brenno fez uma grande defesa em chute de João Paulo, cara a cara.

Seis minutos depois, foi Fernando Miguel quem impediu o gol. O goleiro dos goianos fez uma defesa de reflexo em chute de Luiz Fernando que desviou em um zagueiro.

Campaz ainda entrou no lugar de Alisson. Mas o Grêmio pressionou desordenadamente e perdeu. Pela 14ª vez no Brasileirão.



Veja também