Grêmio fez a diferença por “jogar os 180 minutos”, diz Renato

Técnico "proibiu grupo de voltar ao vestiário sem a vaga na final"

3 de novembro de 2016 - Às 06:16
Foto: Lucas Uebel
Foto: Lucas Uebel

A enorme festa de Grêmio e sua torcida por chegar à final, ao empatar com o Cruzeiro nesta quarta-feira, passou por muita dedicação e atitude, na avaliação do técnico Renato Portaluppi. Num dia “de muita felicidade como gremista e profissional” do treinador, ele exaltou a pegada do grupo. “O Grêmio jogou os 180 minutos dessa semifinal e o Cruzeiro só jogou 90”, afirmou.

“Jogamos com inteligência, com o resultado debaixo do braço”, avaliou Renato. “Não tivemos uma exibição de gala, mas criamos uns dois ou três lances, mais ou menos o que o Cruzeiro teve”, argumentou o técnico.

A marcação incansável, tanto em bola aérea quanto no chão, foi o mote tricolor da noite. Renato salientou que os créditos não ficam apenas com o setor defensivo de Kannemann e Geromel. “Eles tem ajuda de todo mundo. Nossa equipe joga compacta e a marcação começa lá na frente”, explicou. “Cada um está fazendo seu papel e se todo mundo se entrega na parte tática, fica mais fácil”, ponderou.

“Proibição” de decepcionar torcida

Renato brincou, ainda, que na preleção dessa partida não fez seu usual “pedido” aos jogadores. “Dei uma ordem. Eles estavam proibidos de decepcionar nosso torcedor e seus familiares quando chegassem em casa”, frisou. “Estavam proibidos de entrar no vestiário sem estar com nossa classificação”, completou o treinador.

Ele reconheceu que a cobrança, talvez, tenha deixado o time mais preso, mas compensou em dedicação. “Talvez por isso a atuação não tenha sido de gala, mas eles se dedicaram bastante, suaram a camiseta pela final.”

Fonte: Correio do Povo



Veja também