No futebol, existem três resultados possíveis. Mas com o Grêmio em campo no Campeonato Brasileiro de 2020, um deles tem mais possibilidade de acontecer. No domingo, o Tricolor ficou novamente no empate, 1 a 1 com o Coritiba, no Couto Pereira. O 16º em 33 jogos na competição.

Com a vitória do Fluminense, acaba a rodada fora do G-6. No entanto, agora escudado pela vaga aberta na Libertadores por conta do título do Palmeiras.

O time de Renato Portaluppi caminha a passos firmes rumo ao recorde de empates no Brasileirão de pontos corridos com 20 clubes. Botafogo, Ceará e Flamengo, em 2010, Palmeiras, em 2011, e novamente o Botafogo, em 2013, empataram 17 vezes.

São seis jogos sem vencer na temporada, o maior período sem uma vitória na atual passagem de Renato Portaluppi. Em 2013, o treinador acumulou sete duelos de jejum no Grêmio – três derrotas e quatro empates. Ainda assim, garante que “não falta nada” ao time.Está faltando nada, não. O Grêmio vem jogando bem. Jogou bem novamente, mas não aproveitamos as oportunidades que criamos.— Renato Portaluppi em Coritiba x Grêmio

O próprio ídolo, na mesma entrevista coletiva após o jogo com o Coritiba, também afirmou saber o que é necessário para melhorar, mas sem expor o elenco. Pelo menos deixou claro que vê as coisas ruins. A vírgula é que isso já ocorre há algum tempo, mas o Grêmio mostra o mesmo em campo.

— Algumas coisas temos que corrigir, mas em público não vou falar. Vou falar para o grupo entre quatro paredes. Mostro no vídeo e depois vamos para a prática. Não adianta falar o que precisa ou não melhorar. Tenho que falar para o meu grupo. No momento que exponho um jogador, vocês falam que expus. Sei que precisamos melhorar — disse o treinador.

Ferreira ganhou mais uma chance como titular e não aproveitou — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Ferreira ganhou mais uma chance como titular e não aproveitou — Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Em campo, o Grêmo tem mostrado apenas lampejos. Joga bem um período, depois recua e deixa o adversário se acercar de sua meta. Algo citado pelo meia Jean Pyerre em meio a seu pedido de desculpas pelo pênalti perdido no domingo.

Não mostra fome pelo Brasileiro. Está fora do G-6 pela primeira vez desde a 23ª rodada. Só teria vaga para a primeira fase da Libertadores de 2021, caso o campeonato terminasse hoje.

Sem força para sustentar o resultado

Contra o Coritiba, o Grêmio dominou as ações no primeiro tempo, teve mais posse de bola e pelo menos duas chances para marcar além do gol anotado por Paulo Miranda. Já havia acontecido algo semelhante na derrota para o Flamengo. A volta do intervalo mudou o time para pior.

O time passou a impressão — e tem sido recorrente na temporada — de que iria esperar a vitória vir sem buscá-la. No outro lado, no entanto, havia um rival em busca de vitória, apesar de todas as dificuldades técnicas.

O Grêmio se mostra satisfeito com uma vantagem simples no placar. Falta gana para sustentá-la – ou ampliá-la. A campanha no Brasileirão é o exemplo mais evidente. Um contra-ataque sofrido, um pênalti contra e empate no placar, pela 17ª vez.

Só aí o Grêmio passou a ocupar com mais frequência o campo ofensivo. Nomes como Luiz Fernando, Everton e Guilherme Azevedo foram acionados. Thaciano perdeu gol quase dentro da meta. E Jean Pyerre parou em Wilson no pênalti aos 45 do segundo tempo.

O empate deixou o Grêmio com 52 pontos, agora na sétima colocação. Se tivesse vencido, estaria em quinto, a quatro pontos do quarto, o São Paulo, que vem em queda no campeonato. Os tricolores ainda terão confronto direto.

A nova chance de recuperação na tabela está marcada para quarta-feira, às 16h. O Tricolor recebe o Santos após a perda do título da Libertadores, na Arena.



Veja também