Foto: Lucas Uebel/Grêmio

A reação do Grêmio no Campeonato Brasileiro está diretamente ligada a uma melhora do time no segundo turno da competição. São 25 gols marcados nas 11 partidas do returno, o que rende à equipe o melhor ataque no período. O momento coincide com a diminuição da sequência de jogos, principalmente após a eliminação na semifinal da Copa do Brasil.

Desde que caiu para o Athletico-PR no mata-mata nacional, no início de setembro, o Grêmio só dividiu as atenções nos dois duelos com o Flamengo, pela Libertadores. Ou seja, mesmo envolvido em busca do tetra da América, pode concentrar mais forças em recuperar-se na Série A. Os números do segundo turno mostram: sete vitórias, um empate e três derrotas – a terceira melhor campanha.

Apesar de dolorosa e com ares de vexame, a goleada sofrida no Maracanã parece ter sido esquecida rapidamente por Renato Gaúcho e seus comandados. O Grêmio venceu os três compromissos seguintes e anotou oito gols. A artilharia tricolor no segundo turno supera até mesmo a do Flamengo (25 a 22), ataque mais positivo do Brasil.

“A partir do momento que ataca, está mais próximo da vitória que da derrota. Esse é o motivo do nosso sucesso, sem dúvida. Fui atacante, sempre gostei de jogar para frente. É um conceito que coloquei e todo mundo gosta” (Renato Gaúcho)

O estilo de jogo do Grêmio voltou a encaixar a partir de uma mudança de formação e a consolidação da dupla Luciano e Diego Tardelli no setor ofensivo. Os dois atacantes viraram titulares justamente depois da goleada para o Flamengo. A característica de mobilidade pode ser vista no segundo gol do Gre-Nal de domingo, marcado pelo volante Rômulo (veja acima).

– No momento que você consegue os resultados, não tem por que não mudar. Mas nunca falei que era contra o atacante que se movimenta. O Tardelli tem se entendido bem com o Luciano. Foi uma fórmula que a gente encontrou após a eliminação para o Flamengo. Tem dado certo. Eles têm jogado bem – comentou o treinador após a vitória no clássico.

Estratégia pode ser revista para 2020

As consequências do resultado do Gre-Nal 422 são ainda mais práticas. O Tricolor abriu distância de quatro pontos para o Inter na briga direta pela Libertadores de 2020 e se manteve no encalço do São Paulo, que fecha o G-4. Assim, consolida uma reação necessária no Brasileirão.

A arrancada faz subir o aproveitamento. No segundo turno, o Grêmio conquistou 66,7% dos pontos disputados até o momento. No primeiro, o rendimento foi de 49,1%.

Everton segue como expoente do ataque gremista — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Everton segue como expoente do ataque gremista — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Reflexo disto é a prioridade ao mata-mata das copas, com preservação dos titulares no Brasileirão sempre que há uma decisão de Libertadores ou Copa do Brasil por perto. Postura que pode ser revista para 2020.

— Nós optamos por usar o time alternativo em seguida quando tinha um jogo eliminatório. Mas andamos perdendo no Campeonato Brasileiro com o time titular. O time alternativo foi bem. Mas acho que vale a pena uma conversa dessas no fim do ano, porque vejo muito torcedor querendo muito o Brasileiro, que faz tantos anos que um time do Sul não ganha — revelou o vice de futebol Duda Kroeff.

A caminhada gremista tem na quinta-feira um próximo passo, contra o CSA, na Arena, às 21h. No mesmo dia, o São Paulo encara o Fluminense, no Morumbi, às 19h30. Se o clube gaúcho vencer e o rival direto não, Renato e companhia podem enfim entrar no G-4 pela primeira vez no Brasileirão de 2019.




Veja também