Foto: Reprodução

O Grêmio divulgou uma nota oficial nesta quinta-feira, na qual condena atos de cunho racista ou preconceituoso. Antes do Gre-Nal na noite de ontem, vencido pelo Inter por 1 a 0, parte dos torcedores gremistas no Beira-Rio entoaram um cântico dirigido aos torcedores do Inter, com os versos “chora macaco imundo, que nunca ganhou de ninguém”.

Embora não tenha citado o episódio específico, a nota do Grêmio condenou a atitude e disse que o clube adota práticas diárias para combater o racismo e o preconceito.

– Manifestamos total repúdio a qualquer manifestação de cunho racista ou preconceituoso. Temos certeza de que a absoluta maioria da torcida gremista e dos cidadãos gaúchos também repudiam atos dessa natureza – diz um trecho do texto.

Vídeos do cântico circulam nas redes sociais. A manifestação da torcida pode gerar uma nova denúncia contra o clube no Tribunal de Justiça Desportiva do Rio Grande do Sul (TJD-RS).

O clube já foi denunciado no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que trata de ato discriminatório, pela atitude de um torcedor que fez gestos imitando um macaco em direção a torcida rival, no Gre-Nal que acabou adiado no dia 26 de fevereiro.

A pena prevista, em caso de condenação, varia de multa, perda de pontos ou mandos de campo. Recentemente, o Brasil de Pelotas foi punido com perda de dois mandos por fato semelhante na partida contra o Grêmio, mas obteve um efeito suspensivo no Tribunal.

Confira a nota oficial do Grêmio:

“O Grêmio é um clube de todos, e temos muito orgulho disso. No nosso sangue e na nossa história estão as marcas dos povos do mundo todo. Manifestamos total repúdio a qualquer manifestação de cunho racista ou preconceituoso. Temos certeza de que a absoluta maioria da torcida gremista e dos cidadãos gaúchos também repudiam atos dessa natureza. A busca por combater ações discriminatórias é diária dentro do Grêmio, com uma série de ações práticas nesse sentido, e essa postura permanecerá para que episódios de preconceito de qualquer ordem não sejam mais vistos dentro de um estádio de futebol e na sociedade”.



Veja também