Grêmio deve protocolar recurso contra punição do STJD até sexta

STJD condenou clube a perda do mando de campo na final da Copa do Brasil

17 de novembro de 2016 - Às 12:01
Foto: Lucas Uebel
Foto: Lucas Uebel

Após o Grêmio ser punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) com a perda do mando de campo do segundo jogo da final da Copa do Brasil contra o Atlético-MG, a movimentação no Tricolor para reverter a decisão é intensa. O advogado do clube, Nestor Hein, revelou que vai protocolar um recurso contra a punição até esta sexta-feira.

“A Carol não criou tumulto no jogo e não causou prejuízo ao espetáculo. O Grêmio perder o mando de campo em uma final passou das medidas do tribunal. Tomaram uma decisão incorreta e agora vamos pedir o efeito suspensivo, que deverá ser protocolado amanhã (hoje) ou no máximo sexta”, disse Hein. Ele afirmou que a resposta do tribunal chegará rapidamente.

Hein demonstrou convicção no deferimento do efeito suspensivo e acredita que o Grêmio decidirá a Copa do Brasil em casa. “O Grêmio vai reverter essa situação, resolver o problema e faremos a final na Arena no dia 30. Temos muita tranquilidade em relação a isso. A decisão deles foi pautada por um exagero, vamos conseguir mudá-la. Eu não acredito que o Atlético-MG tenha a intenção de intervir na situação, mas pode acontecer”, declarou o advogado.

Indignação nas redes sociais

Após a decisão do STJD, os torcedores gremistas demonstaram indignação nas redes sociais. “O principal problema segundo o tribunal é que a Carol é jornalista. Uma jornalista e midiática não poderia estar em campo. Pelo levantamento que eu fiz não tem praticamente ninguém que concorde com a punição. Não passava pela cabeça de nenhuma pessoa que isso poderia acontecer. O Grêmio merecia uma punição, seria merecedor de uma multa”, avaliou Hein.

No mês de setembro deste ano, uma torcedora invadiu o gramado e interrompeu a partida do Grêmio contra o Palmeiras. A Miss Bumbum foi punida pelo clube. “No caso da Miss Bumbum que invadiu o campo, ela foi identificada e punida, tendo que se apresentar na delegacia de polícia. No caso da Carol, não precisamos fazer nada, ela é filha do nosso treinador. Está errada a atitude, mas não para o exagero que o tribunal decidiu”, finalizou o advogado.



Veja também