O volume até apareceu, o Grêmio dominou o adversário — embora tenha trocado menos passes que o Corinthians. Mas o 0 a 0 permaneceu no placar especialmente por conta de Diego Souza, que desperdiçou pênalti. O quarto erro da marca da cal em seis cobrados em 2020. Um exemplo da falta de pontaria na noite deste sábado, na Arena.

Diego Souza novamente vacilou ao ficar cara a cara com Cássio. Curiosamente, tentou o chute no mesmo lado em relação ao famigerado lance naquele Corinthians e Vasco da Libertadores de 2012. Procurou o canto esquerdo do goleiro, mas desta vez tirou muito do gol.

Na temporada, são seis pênaltis marcados a favor do Grêmio. Só dois convertidos, ambos na vitória por 3 a 0 sobre o Juventude. Diego Souza e Luciano fizeram os gols na oportunidade. No mesmo jogo, Alisson parou no goleiro Marcelo Carné.

Diego Souza olha para o banco e bate no peito para cobrar pênalti contra o Corinthians — Foto: Eduardo Moura/ge

Diego Souza olha para o banco e bate no peito para cobrar pênalti contra o Corinthians — Foto: Eduardo Moura/ge

Antes, Luciano já havia perdido cobrança na vitória sobre o Brasil de Pelotas ao acertar a trave, no fim de janeiro. No decorrer do ano, Everton errou no Gre-Nal de Caxias do Sul e agora Diego Souza errou a meta. Quatro erros em seis possíveis. Apenas este, no entanto, custou pontos ao Tricolor.

— Treinamos todos os dias. Não é só às vésperas das partidas. O Diego só faltou olhar para o Cássio. Quando foi bater, o Cássio já tinha caído para o lado esquerdo. Se espera mais um pouco, faz o gol. Só acontece com quem está lá dentro. O Grêmio já ganhou Gauchão e Recopa nas penalidades — avaliou Renato.

O aproveitamento baixo até não é novidade. No início do ano passado, os erros também eram assunto em questionamentos para Renato. Até o final de maio, eram quatro pênaltis marcados e só um convertido — na temporada passada, foram 10 gols da marca da cal. Isso, claro, durante os 90 minutos.

Sem pontaria também com a bola rolando

Renato em empate do Grêmio com o Corinthians — Foto: Eduardo Moura/ge

Renato em empate do Grêmio com o Corinthians — Foto: Eduardo Moura/ge

Além do pênalti, contra o Corinthians o Grêmio criou bastante. Principalmente no segundo tempo, quando parou em Cássio, em Gil em cima da linha e no travessão. Foram 24 finalizações, sendo 10 para fora.

O volume de jogo esteve ali, com o Tricolor no campo ofensivo. Mas sem pisar tanto na área do Corinthians. Esteve apenas uma vez cara a cara com o goleiro, em chance de Jean Pyerre – fora o pênalti. Houve dificuldade para entrar pelo meio.

— Fiquei muito satisfeito com minha equipe. Criamos com posse de bola, cruzamento. Ganhamos o Gre-Nal com cruzamento. As finalizações estão aí. Trabalhamos de todas as formas. Se tivéssemos ganhado, todos exaltariam pelo que o Grêmio criou. Quando minha equipe joga mal, sou o primeiro a cobrar, mas hoje tenho que elogiar. O que vale ao meu grupo é minha opinião — destacou Renato.

Na noite de sábado, foram 451 passes completos para o Grêmio contra 501 para o Timão. Geralmente, é o time de Renato a liderar esse fundamento.

Renato afirmou que gostou do rendimento do time e que se houvesse vitória, choveriam elogios. É bem possível que estivesse certo. Mas o Grêmio também precisa reaprender o caminho da superioridade sobre o adversário sem depender de cruzamentos.

Com o resultado, o Grêmio soma cinco pontos e ocupa o quarto lugar no Brasileirão. Na próxima rodada, o Tricolor enfrenta o Flamengo, na quarta-feira, às 19h15, no Maracanã.



Veja também