O dia 31 de dezembro geralmente é época de reflexão, pensamentos e objetivos para o próximo ano que vai se iniciar em poucas horas. Pois bem, o Grêmio traçou o plano de estar na final da Copa do Brasil desde a semana passada e o executou à perfeição no empate em 0 a 0 com o São Paulo, no Morumbi, na noite de quarta-feira. O hexa será disputado em fevereiro, contra o Palmeiras.

A resolução de ano novo dos gremistas terá gosto especial mesmo em meio a uma pandemia que complica todos os festejos. Evidente que a intenção sempre é entrar em campo para vencer, mas ganhar neste caso significaria estar na decisão, mesmo que isso fosse sem marcar gols.

Bastava manter-se intacto. Aliás, o Grêmio é o único clube da primeira divisão a não sofrer gol do São Paulo, líder do Brasileirão em 2020. No primeiro turno, empate em 0 a 0, como nesta quarta. Na primeira partida da semifinal, 1 a 0 na Arena.

— Tínhamos a estratégia pronta para o primeiro e para o segundo tempo. Tem que ser estrategista. O grupo é inteligente o suficiente. O que treinamos, colocamos em prática. O meu grupo está preparado para jogar dentro de casa e fora. Com e sem o regulamento. É o meu trabalho. Como deu certo a estratégia no primeiro jogo, deu no Morumbi — explicou Renato.

Rodrigues e Kannemann se impuseram ao ataque do São Paulo — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Rodrigues e Kannemann se impuseram ao ataque do São Paulo — Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Trabalhada na véspera da viagem a São Paulo, a estratégia foi de congestionar o meio-campo com uma marcação mais baixa e compactação defensiva. Acabar com os espaços para o toque de bola característico do rival. As escalações dos dois jogos sofreram modificações de última hora por conta disso.

Thaciano foi titular na Arena pela ponta direita, enquanto Lucas Silva foi volante ao lado de Matheus Henrique no Morumbi justamente para dar intensidade e poder de marcação. As duas escolhas geraram o resultado esperado.

O Grêmio mostrou uma característica em campo perdida contra o Santos, quando caiu sem competir na Vila Belmiro. O próprio Renato Portaluppi, espontaneamente, citou isso antes de iniciar a responder as perguntas em sua entrevista.Essa nossa classificação para a final é para os torcdores. Deixamos a desejar contra o Santos, sabemos disso, mas tínhamos que mudar o cenário diante do São Paulo e mudamos. Um final de ano muito feliz para todos nós gremistas.— Renato Portaluppi.

Grêmio comemora classificação no Morumbi — Foto: Marcos Ribolli/ge

Grêmio comemora classificação no Morumbi — Foto: Marcos Ribolli/ge

Além de controlar o jogo, o Grêmio ameaçou fechar a conta bem antes do fim: Victor Ferraz acertou a trave, Diego Souza assustou com uma bicicleta e Kannemann cabeceou por cima. Isso em 15 minutos. E o São Paulo praticamente sem fazer Vanderlei trabalhar.

Essa postura, aliás, não é novidade. Em 2020, o Grêmio jogou assim outros jogos, especialmente os Gre-Nais. Esteve extremamente confortável na partida, embora seja arriscado chamar o adversário para jogar no seu campo. Só que como não errou, o Tricolor afastou o risco.

Se em outros momentos Renato tanto reclamou de adversários com posturas mais defensivas — linhas mais baixas, compactação e uma capacidade de defender a área apurada —, o treinador abusou do expediente contra o São Paulo.

A capacidade de “sofrer” colocou o Grêmio na segunda final de Copa do Brasil em quatro anos de trabalho — disputou ainda a decisão da Libertadores e da Recopa, ambas com títulos conquistados.

O objetivo dos primeiros meses de 2021 será, certamente, a conquista da Copa do Brasil. Nos próximos dias, o elenco terá folga e só volta a treinar na segunda-feira. Na quarta, o Grêmio encara o Bahia, na Arena.



Veja também