Marco Fávero / GZH

O Grêmio voltou a ter um desempenho ruim e apenas empatou com o Cuiabá por 2 a 2, na noite desta quarta-feira (6), no jogo em que Luiz Felipe Scolari passou Oswaldo Rolla e se tornou o segundo treinador que mais comandou o clube na história, com 384 partidas – atrás apenas de Renato, que tem 411. Apesar do momento histórico, a noite foi novamente de tensão para os quase 5 mil gremistas presentes na Arena, que viram o Tricolor sair atrás no placar com um gol de Max no primeiro tempo e só chegar ao 1 a 1 no começo da etapa final com Alisson.

Quando vivia seu melhor momento, o Grêmio ficou novamente em desvantagem com gol de Marllon, mas Alisson apareceu outra vez para evitar a derrota. O empate não serviu para deixar o Z-4. No próximo domingo (10), às 16h, o Tricolor irá a Vila Belmiro enfrentar o Santos em um confronto direto na luta contra o rebaixamento. Serão mais dias de pressão para Felipão, jogadores e dirigentes de um Grêmio que não consegue reagir no Brasileirão.

Depois da derrota para o Sport, seguida de discussões entre jogadores e de conversas da comissão técnica com o elenco, Felipão promoveu mudanças na escalação do Grêmio além das necessárias pelas ausências de Mathias Villasanti e Miguel Borja, substituídos por Lucas Silva e Diego Souza, respectivamente, para encarar o Cuiabá. Campaz ganhou uma vaga no setor ofensivo enquanto o goleiro Brenno e o zagueiro Walter Kannemann retornaram ao time no sistema defensivo.

O pouco público que compareceu à Arena chegou disposto a apoiar à equipe gremista. Ainda no aquecimento, os atletas foram alvos de aplausos. Quando a bola rolou, os primeiros minutos também foram de apoio dos torcedores. No gramado, porém, a primeira jogada da partida já mostrou que o Grêmio não era um time mais organizado apesar das cinco mudanças em relação a domingo. O Cuiabá ameaçou a um minuto em chute de Max após bola perdida por Campaz ainda no meio-campo.

Esse problema na transição defensiva foi a tônica da equipe gremista no primeiro tempo. Na fase ofensiva, tampouco o time se mostrou melhor. Novamente, o Tricolor exagerou nos cruzamentos. Foram 23 nos primeiros 45 minutos.

Sem atacar bem e com dificuldade para reagir após a perda da bola, o Grêmio viu a situação ficar ainda pior aos 23, quando Jenison cruzou para Max finalizar e superar Brenno para abrir o placar: 1 a 0.

A torcida até passou a cantar após o gol, mas os primeiros murmúrios de vaias surgiram logo depois, quando Douglas Costa errou um cruzamento. Eles foram abafados por mais cantoria, mas a paciência foi embora na sequência, quando Alisson falhou duas vezes seguida – primeiro ao cruzar uma bola em cima do marcador e depois ao errar uma tentativa de passe de primeira para Diego Souza.

Douglas Costa tentou resolver de forma individual. Até fez boa jogada aos 37, mas Alisson chutou por cima. Depois, o camisa 10 finalizou de fora da área para defesa de Walter.

Uma clara falta de organização do Tricolor para atacar apareceu nos acréscimos, quando Campaz recebeu na esquerda e teve três marcadores contra ele sem aproximação de nenhum gremista. Na raça, o colombiano ainda cavou um escanteio que não virou lance de perigo. Antes do intervalo, Max teve chance para marcar o segundo gol do Cuiabá, mas mandou o chute por cima do gol de Brenno. Após o apito final do primeiro tempo, os torcedores reagiram com gritos contra o presidente Romildo Bolzan Jr. e o vice de futebol Marcos Herrmann.

O Grêmio voltou para o segundo tempo com duas mudanças. Felipão mandou Churín a campo na vaga de Diego Souza enquanto Ferreira entrou no lugar de Campaz, uma opção que causou estranheza, pois o colombiano havia aparecido bem na primeira etapa.

O Tricolor apostou em uma pressão inicial e obteve sucesso. Aos 6 minutos, Ferreira deu um lindo passe para Rafinha, que cruzou e encontrou Alisson. O camisa 23 bateu de primeira e empatou a partida: 1 a 1.

Apesar da empolgação da torcida e do próprio time com o gol, o Grêmio seguiu com dificuldade para criar chances após o empate. Assim, a equipe gremista começou a apostar em tiros de fora da área. Ferreira, Alisson e Vanderson tentaram dessa forma sem acertar o alvo. Douglas Costa também foi para a força, mas optou pelo chute cruzado em lance em que Churín chegou atrasado no carrinho.

Diante da dificuldade de criação gremista, Felipão chamou Jean Pyerre aos 25 minutos. O meia, que não atuava desde a partida contra o mesmo Cuiabá do primeiro turno, em 18 de agosto, entrou no lugar do volante Thiago Santos. Mais ofensivo, o Grêmio teve sua melhor chance para a virada logo depois. Os 28, Douglas Costa cruzou na medida para Churín, que cabeceou para fora perdendo uma grande oportunidade.

O gol perdido por Churín se tornou ainda mais pesado logo depois. O Cuiabá, que ainda não havia ido ao campo de ataque, teve um escanteio e o zagueiro Marllon apareceu para botar o time visitante em vantagem novamente para desespero dos 4.931 gremistas presentes na Arena.

O Grêmio teve poder de reação e conseguiu chegar ao empate rapidamente. De novo com Alisson, que aproveitou uma bola cruzada e finalizou firme para o 2 a 2. Essa reação, no entanto, ficou apenas no empate, insuficiente para o Grêmio deixar o Z-4, onde está desde a segunda rodada desse Brasileirão que apavora os torcedores tricolores.



Veja também